Na Argentina, Justiça decide se Redrado continua no BC

A Justiça Argentina deve decidir hoje se acata as apelações do governo contra duas decisões da última sexta-feira: uma, que devolveu a presidência do Banco Central a Martín Redrado; outra que suspendeu a criação do polêmico Fundo do Bicentenário com recursos das reservas internacionais.

MARINA GUIMARÃES, Agencia Estado

11 de janeiro de 2010 | 15h10

Ambas as decisões foram tomadas pela juíza federal María José Sarmiento. Ela será a responsável pelo julgamento dos recursos apresentados pela Casa Rosada. A juíza denunciou, no fim de semana, ter sofrido ameaças e pressões, que incluíram uma patrulha policial de vigia em sua casa, sem que tenha sido solicitada. Segundo a juíza, a patrulha a seguiu por todos os lados.

Os advogados de Redrado, por sua vez, afirmaram que a apelação do governo está marcada por irregularidades. E, nesse sentido, já apresentaram um recurso legal contra as duas apelações do Executivo. Pela manhã, quando saía de sua casa rumo ao BC, Redrado voltou a afirmar que se "mantém como presidente da instituição com toda firmeza que caracterizou sua gestão nos últimos cinco anos".

Tudo o que sabemos sobre:
ArgentinacriseBanco Centraljustiça

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.