Agência Boliviana/Efe
Agência Boliviana/Efe

Na Bolívia, ministro próximo a Evo Morales renuncia

Ministro da Presidência renunciou por motivos de saúde; ministro de Autonomias assume a vaga

AE, Agência Estado

14 de junho de 2011 | 12h40

Um dos mais próximos colaboradores do presidente da Bolívia, Evo Morales, o ministro da Presidência (equivalente à Casa Civil), Oscar Coca, renunciou hoje ao posto por "razões de saúde". Morales empossou para a vaga Carlos Romero, antes ministro de Autonomias. Nesta pasta, assumiu a vice de Romero, Claudia Peña.

Coca trabalhava estreitamente com Morales havia 30 anos, desde a época em que o hoje presidente era uma liderança do sindicato dos produtores de coca. Também acompanha Morales desde que ele assumiu o governo, em 2006, tendo sido ministro de Obras Públicas e de Hidrocarbonetos.

Na cerimônia de posse do novo ministro, Coca disse que seguirá apoiando "o processo de mudança", na posição que lhe couber. Morales afirmou que Coca renunciou "por razões de saúde", sem dar mais detalhes. E elogiou a participação do ministro no governo. "É difícil encontrar colaboradores que estejam plenamente comprometidos com o processo de reformas estruturais", afirmou o presidente.

Morales revelou que, para designar Romero, consultou o ministro das Relações Exteriores, David Choquehuanca, e o vice-presidente, Álvaro García Linera. Os dois lideram tendências às vezes conflitantes no governo boliviano: Choquehuanca é de origem aimará, como Morales, e reflete a ala indigenista, enquanto García Linera lidera o grupo dos profissionais de classe média integrantes da administração. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Bolíviarenúnciaministro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.