Andy Rain/Reuters
Andy Rain/Reuters

Na China, Cameron defende abertura

Para premiê britânico, aumento na liberdade econômica pode levar a reformas no país comunista

AP,

10 de novembro de 2010 | 11h09

PEQUIM - O primeiro-ministro britânico, David Cameron, pediu que a China promova reformas políticas no país para garantir a estabilidade social e a continuidade do crescimento econômico.

Em discurso nesta quarta-feira, 10, em uma universidade de elite de Pequim, Cameron disse esperar, com o tempo, uma maior abertura política.

"O aumento da liberdade econômica na China nos últimos anos tem sido extremamente benéfica para a China e o Mundo. Espero que isso leve a uma maior abertura política, porque estou convencido de que o progresso econômico e político, quando andam juntos, são os melhores avalistas da prosperidade", disse.

No discurso, Cameron não fez referências a casos específicas de repressão política, como o do ativista Liu Xiaobo, prêmio Nobel da paz, preso desde o ano passado.

Cameron encerra hoje uma visita de dois dias à China, na qual buscou impulsionar laços econômicos entre os dois países. "O livre comércio está no nosso DNA. E queremos fazer negócio com a China o máximo que pudermos", disse o premiê.

Mais cedo, Cameron se reuniu com o presidente chinês, Hu Jintao. Segundo a agência Xinhua, Hu defendeu um maior grau de cooperação e de confiança entre os dois países.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaHu JintaoDavid Cameron

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.