Na Colômbia, 12 são presos por desvio de verba pública

Pelo menos 12 pessoas foram detidas por envolvimento em um milionário roubo de fundos estatais no escritório nacional arrecadador de impostos da Colômbia, informou hoje o presidente Juan Manuel Santos. O caso é apenas "um bracinho de um grande polvo", afirmou Santos a jornalistas, em Bogotá.

AE, Agência Estado

14 de julho de 2011 | 12h17

Os 12 detidos são acusados em ao menos seis quesitos, entre eles associação para delinquir, enriquecimento ilícito e lavagem de dinheiro, disse o vice-promotor geral, Juan Carlos Forero, que acompanhou Santos na apresentação, ao lado de outras autoridades. O presidente disse que ainda é preciso capturar mais cinco pessoas no caso.

Santos informou que a investigação na Direção de Impostos e Aduanas Nacionais (Dian) começou no início do ano. Estima-se que a máfia trabalhava desde 2004 e teria conseguido nesse período 1 bilhão de pesos colombianos (US$ 568 milhões).

O presidente acrescentou que foram funcionários da mesma Dian, que tem 8 mil trabalhadores, que colaboraram para denunciar o esquema. O ex-empregados falsificavam registros de empresas e recibos de exportação, para cobrar mais tarde do órgão a devolução desses impostos.

Santos descartou a responsabilidade do ex-ministro da Fazenda Oscar Iván Zuluaga, que chefiou a pasta entre 2006 e 2010, no governo de Álvaro Uribe (2002-2010). "O ministro da Fazenda não controla, não está acima do que a Dian faz", afirmou o presidente, que foi ministro da Defesa de Uribe. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Colômbiacorrupçãoprisões

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.