Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

Na Colômbia, preocupação com Amazonas

Governo reforçou medidas de prevenção, temendo um surto no país após morte de um colombiano vítima da variante brasileira do coronavírus

João Renato Jácome / Especial para o Estadão , O Estado de S.Paulo

21 de março de 2021 | 05h00

RIO BRANCO - Com a morte de um colombiano, vítima da variante P1 do coronavírus, o governo da Colômbia reforçou as medidas de prevenção, temendo um surto no país. A morte do idoso foi confirmada pelo Instituto Nacional de Saúde da Colômbia, no dia 12, e causou um corre-corre entre as autoridades preocupadas com a chegada da cepa brasileira – como a vítima não havia saído da Colômbia, a infecção ocorreu por meio de transmissão local.

A infecção foi detectada ainda em janeiro, mas após análise e investigação do governo, só foi possível anunciar a infecção pela variante em março, quase dois meses depois da morte do idoso. A variante é apontada como a responsável por causar o colapso do sistema de saúde de Manaus (AM), que em janeiro deste ano não suportou a demanda.

Temendo a nova tipagem viral, a auxiliar de serviços gerais Ana Parra, de 50 anos, que vive em Letícia, fronteira com o Brasil, afirma que a população está aterrorizada, principalmente após a confirmação da primeira morte.

“Temos muito medo, porque esse vírus, ao que tudo indica, e os jornalistas estão mostrando todos os dias, é muito mais forte e mais letal. Tememos que ele chegue até nossa casa, logo esse vírus brasileiro, porque o governo do Brasil não consegue controlar a pandemia aí, e agora esse mal pode vir para o nosso país, e matar mais pessoas”, desabafa a colombiana.

O que chama a atenção de Parra, é que apesar de estar com a covid-19, parte da população ignora o fato de que a doença pode matar, e trata a doença como uma “simples gripe”. Isso, segundo Ana Parra, é um pouco do que tem agravado a situação na Colômbia, onde mais de 60 mil mortes pela doença já foram registradas.

“Estamos pensando em tudo isso, porque muita gente está morrendo aqui na Colômbia, e já teve um caso de morte por conta dessa variação, de mutação do coronavírus. Não quero nem imaginar ser contaminada por ele, ou que alguém da minha casa seja. Esta mutação é muito séria, mas muita gente acha que não. É preciso acreditar que sim”, diz ela.

O medo da nova variante atinge também a família de Líbia Payrrado, que vive com outras cinco pessoas em Letícia. Ela trabalha na assistência local aos doentes e conta que muitos jovens estão se infectando. Segundo Líbia, a variante P1 já circula há semanas na cidade. “Estamos em isolamento total. O comércio está 80% fechado. A cada dia está morrendo mais gente. Estive muito doente, e estou muito preocupada.”

Na sexta-feira, durante pronunciamento, o vice-ministro da Saúde da Colômbia, Luís Alexandre Moscoso, revelou que há um aumento nos casos positivos e elevação nas internações em UTI, obrigando o governo a manter as medidas de isolamento e restrição comercial “para evitar uma nova curva de contágio”, como aconteceu entre os meses de julho e agosto e entre dezembro e janeiro deste ano. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.