Ben STANSALL / AFP
Ben STANSALL / AFP

Na contramão do Reino Unido, Leicester decreta isolamento após novos casos

Cidade de 330 mil habitantes registrou cerca de 10% dos novos casos do vírus na última semana

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de junho de 2020 | 11h00

LEICESTER - O Reino Unido impôs um confinamento rigoroso de pelo menos duas semanas à cidade de Leicester após detectar novos surtos do novo coronavírus, ofuscando as tentativas do primeiro-ministro Boris Johnson de levar o país de volta à normalidade. Lojas não essenciais e escolas foram fechadas. E a abertura de pubs e restaurantes determinada no país não vale para a cidade localizada a 150 quilômetros de Londres. 

O Reino Unido tem sido um dos países mais atingidos pela pandemia, com mais de 54 mil mortes, embora as infecções tenham diminuído e muitas restrições tenham sido flexibilizadas a partir de sábado para revitalizar a economia.  

Boris Johnson disse na terça que o país não pode continuar sendo "prisioneiro desta crise" e traçou planos para impulsionar a economia britânica, devastada pelo coronavírus. "Se a crise nos ensinou uma coisa, é que este país precisa estar pronto para o que está por vir, e precisamos ser capazes de avançar com níveis de energia e velocidade que não precisamos há gerações".

No entanto, em Leicester, a flexibilização foi revertida depois que os números mostraram que a taxa de infecção nos últimos sete dias era três vezes maior que a próxima pior cidade. Leicester, que tem cerca de 330 mil habitantes, respondeu por 10% dos casos positivos na Inglaterra na semana passada, informou o governo. 

"Agradeço ao povo de Leicester por sua tolerância", disse Johnson no discurso. "Sempre disse que haveria crises locais e que lidaríamos com elas localmente, e é isso que estamos fazendo em Leicester e em outros lugares".  

Moradores disseram que as pessoas estavam desprezando o distanciamento social e outras medidas desde que o governo começou a flexibilizar as regras duas semanas atrás. "Se as pessoas ouvissem e ficassem em casa não estaríamos nessa situação", disse Bob Sharma, gerente de um banco.

O corretor Arun Mortala disse que as pessoas não usavam máscaras e nem mesmo mantinham distância quando voltaram às ruas. "Eu esperava que isso acontecesse", disse ele. O ministro da Saúde, Matt Hancock, afirmou que o governo ainda está analisando as razões exatas do aumento de Leicester. / Com informações da Reuters e NYT 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.