Na Coreia, Norte se diz 'triste' por mortes, Sul quer vingança

O comandante dos fuzileiros navais da Coréia do Sul prometeu uma vingança de "mil vezes" no sábado contra um ataque da Coréia do Norte que matou dois soldados e dois civis e gerou um raro comunicado expressando tristeza da Coréia do Norte.

CHEON JONG-WOO E NICK MACFIE, REUTERS

27 de novembro de 2010 | 17h34

O presidente sul-coreano Lee Myung-bak mandou os ministros e asessores estarem prontos para mais "provocações" pela Coréia do Norte durante manobras militares com os Estados Unidos que começam no domingo.

"Há a possibilidade de a Coréia do Norte realizar uma ação inesperada, portanto preparem-se perfeitamente contra ela por meio de uma cooperação com a força americano-sul-coreana," disse Lee segundo um porta-voz.

Os dois fuzileiros foram honrados com salvos de artilharia enquanto as famílias choravam e oficiais saudavam o cortejo funerário quatro dias depois que a Coréia do Norte atacou uma pequena ilha da Coréia do Sul numa chuva de artilharia, o pior ataque desde o fim da Guerra da Coréia em 1953,

A Coréia do Norte, que normalmente não sofre com decisões políticas, disse que se houve mortes de civis elas foram "muito tristes," mas que a Coréia do Sul deveria ser a culpada por utilizar um escudo humano.

A Coréia do Norte também disse que os Estados Unidos deveriam ser culpados por "orquestrarem" a sequência de eventos e justificar o envio de um porta-aviões para realizar manobras conjuntas com a marinha sul-coreana.

Dezenas de casas foram destruídas no ataque, que seguiu-se a um teste da Coréia do Sul, que disparou tiros de artilharia próximo a uma área marítima em disputa. A Coréia do Sul respondeu ao ataque com artilharia 13 minutos depois mas não está claro se houve algum dano à Coréia do Norte.

"Todos os fuzileiros, inclusive os que estão na reserva, vão se vingar da morte desses dois a qualquer custo, mantendo a raiva e a hostilidade de hoje em mente," disse o tenente-general Yoo Nak Joon, comandante do corpo de fuzileiros navais da Coréia do Sul.

Tudo o que sabemos sobre:
COREIATRISTE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.