NA FASSBENDER / AFP
NA FASSBENDER / AFP

Na crise do coronavírus na Alemanha, médicos poloneses fazem a diferença

Cerca de 300.000 poloneses trabalham em hospitais na Alemanha ou como cuidadores domiciliares para idosos ou em asilos. Muitos fazem a travessia da fronteira todos os dias

David Courbet, AFP, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2020 | 10h44

BERLIM - Andrzej Zebrowski hesitou por um longo tempo antes de anunciar para sua família: pela primeira vez em sua vida, este cirurgião polonês não passará a Páscoa com seus parentes. Por causa da pandemia do novo coronavírus, vai ficar trabalhando no hospital alemão que o emprega.

Como muitos outros, ele enfrentou um dilema depois que o governo polonês decidiu unilateralmente, em 27 de março, estabelecer uma quarentena obrigatória de 14 dias para todos que entram em seu território: retornar ao seu país ou permanecer na Alemanha? 

No entanto, a epidemia de coronavírus mostrou aos alemães a dependência de seu sistema de saúde, em escassez crônica de pessoal, de profissionais da saúde estrangeiros.

Segundo a imprensa alemã, cerca de 300.000 poloneses trabalham em hospitais na Alemanha como médicos e enfermeiros e, principalmente, como cuidadores domiciliares para idosos ou em asilos.

"A principal tarefa de todos os médicos é cuidar de pacientes com profissionalismo (...) não poderia decepcionar minha equipe neste momento crucial", explica à AFP Zebrowski, cirurgião do hospital alemão de Prenzlau, localizado a cerca de 30 km da fronteira.

Até então, ele fazia o trajeto de 50 minutos entre sua casa em Szczecin e o hospital diariamente. "É claro que a separação da família não é fácil, mas minha esposa e meu filho de 7 anos entendem e aceitam minha decisão. Essa é uma situação excepcional", afirma o especialista.

Ajuda financeira em tempos de coronavírus

Se os profissionais da saúde poloneses constituem uma pequena parte dos 69.000 trabalhadores que viajam diariamente entre os dois países, sua ausência nos hospitais alemães seria prejudicial.

Em algumas clínicas, especialmente perto da fronteira, mais de 30% dos funcionários vêm da Polônia, de acordo com Frank Ullrich Schulz, presidente da Associação Médica de Brandemburgo.

Para incentivá-los a ficar, as regiões fronteiriças alemãs oferecem entre 40 e 65 euros por dia a todos os trabalhadores fronteiriços poloneses que decidem ficar na Alemanha. Uma quantia destinada a pagar pernoites e refeições.

Em Prenzlau, metade do pessoal do hospital é polonês, ou seja, 22 médicos. A maioria deles decidiu continuar a tratar pacientes, mesmo que o estabelecimento ainda não tenha recebido pacientes com COVID-19.

"Sem eles, muitos tratamentos e operações urgentes não poderiam ser realizados", diz Marita Schönemann, diretora do estabelecimento, que teme o pior se a epidemia consumir seus serviços.

Com uma política de testes em larga escala e 2.107 mortes oficialmente confirmadas por COVID-19, a Alemanha parece lidar bem com a pandemia.

"Dos nossos 40 leitos de terapia intensiva, apenas três estão ocupados atualmente. Mas esperamos uma possível onda", alerta Ulrich Gnauck, diretor da clínica Asklepios em Schwedt, também na fronteira com a Polônia.

Metade dos 40 cuidadores poloneses permaneceu: "sem eles, precisaríamos fechar a clínica".

No entanto, ele ataca essa "Europa que falhou" em aprovar regras comuns, enquanto a Alemanha também introduzirá uma quarentena de 14 dias aos viajantes que retornarem ao seu território a partir de 10 de abril, exceto para os trabalhadores fronteiriços. 

No entanto, alguns cuidadores decidiram, com relutância, voltar para seus entes queridos, tranquilizá-los ou até tratá-los. 

"Eu não queria forçar minha família inteira a ficar em quarentena para a Páscoa por minha causa", afirma Jacek Witkowski, médico em uma unidade de terapia intensiva do hospital universitário de Magdeburgo. 

No final de março, e embora seu país permaneça muito menos afetado pelo vírus do que seu vizinho alemão, ele decidiu voltar para Szczecin. No entanto, a agência temporária que o colocou no hospital se recusa a pagar por seus 14 dias de ausência, forçando-o a interromper a colaboração.

"Estou decepcionado com esta operação, mas vou descansar alguns dias antes de procurar trabalho, provavelmente na Polônia", disse ele.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.