Na Europa, divórcio enriquece os homens, diz estudo

Um estudo feito na Europa revelou que homens que se divorciam ou se separam podem estar fazendo um ótimo negócio do ponto de vista financeiro, melhor do que permanecer casados. De acordo com a pesquisa, homens que continuam com suas parceiras invariavelmente acabam mais pobres do que aqueles que se separaram. Segundo a socióloga Cecile Bourreau-Dubois, organizadora do estudo, o efeito do divórcio sobre a conta bancária de homens que se separaram supera até as vantagens obtidas quando os dois membros do casal conseguem empregos melhores. Já as vantagens financeiras da separação não se aplicam às mulheres - e o estudo aponta que mulheres que casam têm melhores chances de enriquecer do que mulheres que permanecem solteiras. O estudo, baseado em entrevistas com mais de 75 mil adultos em 11 países da União Européia, foi publicado pelo Instituto para Pesquisa Econômica e Social da Universidade de Essex, na Inglaterra. Mark Stephens, sócio do escritório de advocacia britânico Finers Stephens Innocent, disse que o resultado do estudo não surpreende àqueles que "são do ramo". Ele disse que os salários pagos a homens ainda são mais altos do que os pagos às mulheres. Além disso, as mulheres, na maioria dos casos, acabam com a custódia dos filhos no divórcio, o que reduz ainda mais sua capacidade de gerar renda. O salário do homem, em muitos casos, sobe mais do que a inflação, enquanto que "as pensões pagas às ex-companheiras acabam sendo desvalorizadas", disse Stephens à BBC. As informações são do site da BBC em português. Para ler o noticiário da BBC, que é parceira do estadao.com.br, clique aqui.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.