EFE/OLIVIER HOSLET
EFE/OLIVIER HOSLET

Na França, Le Pen é sentenciado por dizer que câmaras de gás foram 'detalhe'

PARIS - Fundador e ex-chefe do partido Frente Nacional, Jean-Marie Le Pen foi condenado nesta quarta-feira por negar crimes contra a humanidade, ao repetir que as câmaras de gás nazistas são um "detalhe" da história da 2.ª Guerra. Um tribunal da França condenou e sentenciou o político a pagar uma multa de 30 mil euros (US$ 34 mil).

O Estado de S. Paulo

06 Abril 2016 | 14h05

Além disso, ele terá de pagar 10 mil euros em indenização a três associações que entraram na Justiça contra ele. O tribunal também determinou que a decisão seja publicada em três grandes jornais franceses, com a conta paga pelo réu.

Le Pen, de 87 anos, já foi condenado pelos mesmos crimes em 2012, ao dizer que a ocupação nazista na França não foi "particularmente desumana". No passado, ele foi sentenciado duas vezes, em 1991 e 1999, por tribunais civis ao dizer que as câmaras de gás eram "um detalhe da história da2.ª Guerra".

Há um ano, Le Pen disse que não se arrependia de seu comentário sobre as câmaras de gás. Dessa vez, o caso acabou em um tribunal criminal. A corte parisiense rejeitou o argumento do advogado de que Le Pen teria imunidade como membro do Parlamento Europeu e não poderia ser julgado.

Jean-Marie Le Pen é o fundador da Frente Nacional e a filha dele, Marine, é a atual líder do partido. Marine se esforça para mudar a imagem da legenda, em um esforço para tirar a sigla da imagem de pária, e retirou o pai dela da hierarquia partidária./ Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.