Na França, 5 das 12 refinarias reabrem após greve

Manifestantes negociam com o governo, mas garantem que 'protestos ocorrerão de outras formas'

Agência Estado

26 de outubro de 2010 | 10h13

Caminhões voltam a ser abastecidos nas refinarias.

 

PARIS - Cinco das 12 refinarias da França voltaram a operar nesta terça-feira, 26, após um período em que greves provocaram seu fechamento e a falta de combustíveis no país. "Nós temos agora cinco refinarias que decidiram retomar o trabalho", disse à imprensa o ministro do Interior, Brice Hortefeux, após um encontro com outros ministros. "Isso significa que o retorno ao normal é gradual, mas constante," acrescentou.

 

Veja também:

mais imagens Galeria de fotos: Protestos na França

lista Entenda: Reforma na previdência motiva greve

documento Gilles Lapouge: A revolta dos jovens

especialEspecial: Veja o histórico de manifestações na França

 

A França tem sofrido com a falta de combustível desde o início dos protestos nacionais dos trabalhadores. Até 25% dos postos ficaram sem gasolina neste mês. A intenção dos manifestantes é barrar a reforma previdenciária defendida pelo governo, que deve aumentar a idade mínima para aposentadoria no país de 60 para 62 anos. O texto está nos últimos passos de sua tramitação no Legislativo.

 

Os primeiros trabalhadores da refinaria começaram a encerrar a paralisação na segunda-feira, mas ainda deve demorar alguns dias para que as operações das refinarias voltem à capacidade total. "O feriado de 1º de novembro é uma preocupação, mas medidas foram tomadas para superar isso", disse Hortefeux.

 

No auge das paralisações, na semana passada, o governo ordenou que a polícia rompesse as barreiras dos manifestantes em depósitos de combustível, além de buscar decisões legais para forçar parte do pessoal em greve a voltar ao trabalho. "Se nós tivermos que realizar novas requisições (judiciais), não iremos hesitar nisso", garantiu Hortefeux.

 

No complexo portuário de Fos-Lavera, a greve dos trabalhadores chegou ao seu 30º dia. Nesse caso, os trabalhadores também são contra a reforma previdenciária, mas pedem ainda mudanças no gerenciamento da área. Há muitos navios-tanque que transportam petróleo e passam por esse complexo em Marselha, no sul do país.

 

Negociações

 

A ministra das Finanças, Christine Lagarde, elogiou a disposição de um dos grandes sindicatos de iniciar a discussão de outras questões. "Acho que o ânimo (das mobilizações) está mudando. Cumprimento tanto a retomada da razão como do diálogo", destacou Lagarde em entrevista à emissora Radio Classique.

 

A ministra se referiu à iniciativa da Confederação Francesa de Trabalhadores (CFDT) de abrir negociações sobre o emprego dos jovens e dos trabalhadores de idade avançada. "É realmente um passo positivo. Acredito que seja algo muito bom".

 

O secretário-geral da CFDT, François Cherèque, pediu na noite da segunda "uma negociação sobre o emprego dos jovens e dos mais velhos", em uma transmissão televisiva na qual a presidente da entidade patronal Medef, Laurence Parisot, respondeu que estava de acordo.

 

O líder da Confederação Geral do Trabalho (CGT), Bernard Thibault, que também participava desse programa de debate, garantiu que os protestos "continuarão", mas de "outras formas".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.