Na Grécia há empate entre conservadores e esquerdistas

O partido conservador Nova Democracia e o partido de extrema esquerda Syriza estão empatados nas pesquisas de intenção de voto para as eleições na Grécia publicadas neste sábado. Duas pesquisas mostram maior apoio ao Nova Democracia nas eleições de meados de junho e outras duas apontam maioria para o Syriza.

AE, Agência Estado

19 Maio 2012 | 15h37

De acordo com a pesquisa da agência MRB, no jornal Real News, o Nova Democracia receberia 24,4% dos votos se as eleições fossem realizadas hoje, mais do que os 18,85% recebidos nas últimas eleições. O partido anti-austeridade Syriza teria 23,8% dos votos, ante 16,8% na eleição anterior. O apoio ao partido socialista Pasok - que apoia o programa de resgate da Grécia juntamente com o Nova Democracia - também aumentou ligeiramente: 14,5% ante 13,2%. O Esquerda Democrática teria 6,9% ante os 6,1% de 6 de maio.

Outra pesquisa, publicada no jornal Proto Thema pela Alco, mostra que o Nova Democracia detém 23,1% das intenções de voto, enquanto o Syriza tem 21,4% e o Pasok, 13,5%. A pesquisa também mostra que 80% dos eleitores gregos gostariam que o país continuasse na zona do euro e apenas 10% deseja que o país retorne ao dracma.

Por outro lado, duas outras pesquisas mostram que o apoio ao Syriza cresceu ainda mais e que o partido anti-resgate poderia vencer as eleições se elas ocorressem hoje. De acordo com o instituto Public Issue, cuja pesquisa foi publicada no jornal Kathimerini, o Syriza receberia 28% dos votos; o Nova Democracia, 24% e os Socialistas, 15%.

A pesquisa feito pela Metron Analysis e publicada no site protagon.gr mostra o Syriza na frente com 25,1% das intenções de voto, e o Nova Democracia com 23,8%. Os Socialistas atingiriam 17,4%.

Hoje, o presidente grego Karolos Papoulias dissolveu o parlamento para que eleições sejam realizadas em 17 de junho, que devem apontar se o país continua na zona do euro. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
Grécia eleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.