Na Índia, tibetanos exigem que China liberte Panchen Lama

Milhares de exilados tibetanosrealizaram uma passeata na Índia, na sexta-feira, para exigir alibertação do Panchen Lama, a segunda maior autoridade dobudismo tibetano, mantido prisioneiro pela China desde 1995,segundo afirmam. De posse de cópias de fotografias dele e agitando bandeirastibetanas, homens idosos e alunos de escola gritavam: "China,liberte-o agora." A manifestação ocorreu na capital indiana,Nova Délhi. Na sexta-feira, Gedhun Choekyi Nyima, apontado pelo líderespiritual do Tibet, Dalai Lama, como o 11o Panchen Lama,completaria 19 anos de idade. Após a morte do 10o Panchen Lama em 1989, o governo chinêse o Dalai Lama escolheram pessoas diferentes para sucedê-lo. Ea pessoa escolhida pelo Dalai Lama, Nyima, então com 6 anos deidade, de repente desapareceu dos olhos da opinião pública. Os tibetanos do mundo todo afirmam que o menino foisequestrado pelas autoridades chinesas. E grupos de defesa dosdireitos humanos consideram-no o mais jovem prisioneiropolítico do mundo. A China rebateu as acusações de que o garoto havia sidocolocado em prisão domiciliar e insiste que ele e sua famílianão desejavam ser incomodados. "Eles estão mentindo e temos medo de que os chineses nãolhe permitam receber a tradicional educação tibetana, algofundamental", disse Choekyong Wangchuk, um dos manifestantestibetanos que participaram do ato em Nova Délhi. "Eles querem incutir-lhe a ideologia chinesa, mas ignoram ofato de que ele é um verdadeiro tibetano. Ele nunca esqueceráseu povo." Os alunos de escola desenharam imagens do Panchen Lama ebandeiras do Tibet, enquanto monges vestidos com seus robestradicionais entoavam mantras para celebrar o aniversário doPanchen Lama. "Não sabemos como é a aparência dele agora, mas eu melembro como todos nós protestamos quando ouvimos pela primeiravez a respeito do sequestro dele", afirmou Tanzin Chhakdor,enquanto lágrimas escorriam por sua face. Orações também foram realizadas em Dharamsala (norte daÍndia), onde o Dalai Lama mora desde que se exilou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.