Na internet, Al-Qaeda nega participação no ataque em Samarra

Um comunicado divulgado na internet nesta quinta-feira em nome de insurgentes iraquianos nega alegações do governo de Bagdá segundo as quais a Al-Qaeda seria responsável pelo ataque contra um santuário da cidade de Samarra, um evento que deixou o país árabe a um passo de uma guerra civil.O conselheiro nacional de segurança do Iraque, Mouwafak al-Rubaie, anunciou na quarta-feira a detenção um cidadão tunisiano que teria participado do ataque contra o santuários de Samarra, que destruiu o famoso Domo Dourado da mesquita local. Al-Rubaie afirmou que o detido fazia parte do grupo terrorista Al-Qaeda no Iraque.Hoje, o Conselho Shura Mujahedin, uma organização formada por vários grupos insurgentes do Iraque, disse que al-Rubaie "mentiu quando afirmou que o detido pertencia à organização Al-Qaeda no Iraque"."Pedimos a nossos irmãos muçulmanos para que não acreditem nessas mentiras deslavadas", disse o Conselho Shura em um comunicado divulgado em um site muçulmano que é conhecido por abrigar mensagens de militantes. Não foi possível verificar a autenticidade do comunicado.Em sua nota, o Conselho Shura recorda que após o atentados contra o santuário xiita, em 22 de fevereiro, emitiu um comunicado negando responsabilidade e culpando o governo iraquiano.O atentado provocou uma onda de violência entre iraquianos xiitas e sunitas, incluindo ataques contra mesquitas e bombardeios. Mais de 20 mil famílias tiveram que abandonar suas casas depois do ataque ao santuário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.