Na Itália, ministros das Finanças do G7 concluem debate sobre fraudes fiscais

Funcionamento dos sistemas fiscais estatais, segurança cibernética, crescimento econômico e redução da desigualdade social foram abordados

O Estado de S.Paulo

13 Maio 2017 | 04h20

BARI - Os ministros das Finanças e diretores dos bancos centrais do G7 concluem neste sábado, 13, a reunião de três dias que celebrarm na Itália, na qual debateram fraudes fiscais, crescimento econômico e redução da desigualdade social. 

Alguns dos temas foram o funcionamento dos diversos sistemas fiscais estatais para determinar possíveis lacunas que permitam às multinacionais beneficiar-se. Segurança cibernética e evasão fiscal, especialmente com relação a bancos e empresas, também foram assuntos de destaque. 

Entre os debates prioritários, incentivos ao crescimento econômico duradouro para reduzir a diferença entre ricos e pobres, especialmente nos países desenvolvidos. Maneiras de cortar o financiamento das organizações terroristas para impedir seus lucros e mais intercâmbio de informação a nível fiscal entre os diversos organismos internacionais foram debatidos.  

Na reunião participam ministros de Finanças e chefes dos bancos centrais do Grupo dos Sete Países mais industrializados do mundo: Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália e Japão e Reino Unido), assim como representantes de instituições como o Banco Mundial, o Fundo Monetário Internacional, o Banco Central Europeu, a Comissão Europeia e a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.