Na Jordânia, confronto mata 1 e fere 100

Um homem morreu e cerca de cem pessoas ficaram feridas ontem em Amã, capital da Jordânia, durante um confronto envolvendo manifestantes que exigem reformas políticas no país. Khairi Saad, de 57 anos, foi morto por policiais que tentavam dispersar o confronto a golpes de cassetete, segundo seu filho Amer. "Ele saiu de casa para proteger meu irmão", contou.

AP e Reuters, O Estado de S.Paulo

26 de março de 2011 | 00h00

Na Jordânia, os manifestantes defendem uma monarquia constitucional. Os protestos, porém, não são tão intensos como os que ocorrem em outros países árabes. O país é governado pelo rei Abdullah II desde 1999. A monarquia hachemita, no entanto, está no poder desde que o país se tornou um emirado, em 1921, e se manteve após a independência, em 1946.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.