Na Malásia, partido da situação renova Executivo

Reunião deverá culminar com a nomeação do vice primeiro-ministro Najib Razak como novo líder do UNMO

Efe

24 de março de 2009 | 03h32

A formação política que governa a Malásia há mais de meio século inicia nesta terça-feira, 24, o congresso anual com o objetivo de renovar a direção e completar a passagem do poder a um novo primeiro-ministro, após o revés eleitoral que sofreram os comícios legislativos do ano passado.

 

Cerca de 2.500 delegados da Organização Nacional para a Unidade Malaia (UNMO) participarão a partir da próxima quinta-feira, 26, das reuniões a portas fechadas, e que devem culminar como a nomeação do vice primeiro-ministro Najib Razak como novo líder do partido.

 

A nomeação de Najib Razak significará o final do mandato do atual chefe de governo, Abdullah Badawi, a quem setores da UNMO culpam pela vantagem conquistada nos últimos comícios da oposição, que desde então controla 83 dos 222 lugares que compõem o parlamento federal.

 

Najib Razak tem estado a frente dos ministérios da Defesa (1991 e 1999), Educação (1995), e desde setembro de 2008 é titular da pasta de finanças, que administra com o cargo de vice primeiro-ministro.

 

Seus partidários destacam que uma das vitórias de Najib foi o processo de modernização elaborado nas Forças Armadas e o Programa Nacional de Esportes traçado para a celebração dos Jogos do Sudeste Asiático, que ocorreu em Kuala Lumpur em 1989.

 

O Congresso da UNMO começou no dia seguinte à proibição pelas autoridades da publicação durante três meses dos diários ligados a oposição e após a polícia ter interrompido a reunião na qual o líder opositor, Anwar Ibrahim, mantinha como seus colaboradores, em Kuala Lumpur, a capital do país.

 

A previsão é que Najib Razak assuma a chefia do executivo durante a primeira semana de abril, dizem fontes do partido.

Tudo o que sabemos sobre:
ExecutivoMalásia, Najib Razak

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.