Na Noruega, sobreviventes relatam momentos de terror

De acordo com um rapaz de 22, o atacante atirava duas vezes em cada vítima para se certificar de tê-la matado

AE, Agência Estado

23 de julho de 2011 | 18h44

Velas, bandeiras norueguesas e flores foram depositadas hoje em memória às vítimas

 

OSLO - O homem que abriu fogo contra um grupo de jovens acampados numa ilha ao norte de Oslo, capital da Noruega, ontem, realizou disparos por 1 hora e meia antes de se render a um grupo especial da polícia. O atacante foi identificado como Anders Behring Breivik, de 32 anos.

 

Veja também:

linkAtirador norueguês se entregou sem resistir

linkDisparos duraram 1 hora e meia, diz polícia

linkAtentados deixaram pelo menos 92 mortos 

linkAtirador em ilha tem opiniões extremistas

linkSuspeito comprou 6 toneladas de fertilizantes

linkHomem com faca é preso perto de premiê

linkAdolescentes fugiram de atirador a nado

blog VÍDEO: Os danos após a explosão em Oslo

Relembre outros ataques terroristas na Europa

 

A polícia disse que 85 pessoas, muitas das quais adolescentes, foram mortas na ilha de Utoya, onde 600 pessoas estavam no momento do ataque. O ministro de Relações Exteriores Jonas Gahr Store estima que dezenas de pessoas estejam hospitalizadas por causa dos ferimentos. Segundo a polícia, quatro ou cinco pessoas ainda estão desaparecidas. Mergulhadores fazem buscas ao redor da ilha.

 

Dois tiros

 

Sobreviventes disseram que se esconderam e fugiram nadando da ilha para escapar do atirador. As vítimas descreveram o episódio como um "banho de sangue". "Não havia para onde fugir, apenas a água, e quando as pessoas tentavam nadar, ele atirava nelas", disse Dana Barzingi em entrevista à emissora norueguesa NRK.

 

Em entrevista ao jornal Dagbladet, Torbjorn Vereide, de 22 anos, disse que o atacante atirava duas vezes em cada vítima, para ter certeza de que ela estava morta. "Ele parecia muito concentrado. Ele agiu com calma e escolhia as vítimas uma por uma. As pessoas estavam deitadas no chão e ele passava por cima delas e então atirava em suas costas".

 

Vereide disse que ele se escondeu do assassino num local perto da margem, juntamente com outros jovens. "No início, havia cerca de 30 pessoas lá. Quando o atirador terminou de disparar, apenas cinco de nós ainda estavam vivos".

 

Explosão em Oslo

 

O ataque ocorreu após uma explosão no centro de Oslo, onde ao menos sete pessoas morreram. As autoridades ainda não identificaram a razão do ataque, mas disseram que o suspeito visitou sites de fundamentalistas cristãos e pertenceu à juventude de um partido de direita.

 

A polícia afirmou que o atirador falou sobre o episódio e admitiu ter feito os disparos na ilha. Segundo os policiais, ele contratou um advogado, mas seu defensor não quer que seu nome seja divulgado.

 

A despeito do choque provocado pelos ataques, a Noruega não elevou o nível de alerta para atentados na capital e na ilha de Utoya, informou o Ministério de Justiça. O ministro Knut Storberget acrescentou que o governo mantém uma comunicação constante com a polícia e que continua avaliando a situação. "O debate sobre o nível de alerta prossegue".

 

As informações são da Associated Press e da Dow Jones

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.