Na Nova Zelândia, seis ativistas do Greenpeace são detidos

Integrantes do movimento tentaram impedir saída de carga de carvão do porto neozelandês de Lyttelton

25 de março de 2008 | 05h23

Seis ativistas do Greenpeace que tentaram nesta terça-feira, 25, impedir que uma embarcação carregada de carvão zarpasse do porto neozelandês de Lyttelton foram detidas por ordem das autoridades portuárias, informa a imprensa local.   Um porta-voz do Greenpeace afirmou que a ação foi um sucesso do ponto de vista de chamar a atenção internacional sobre o aumento do número de cargueiros de carvão e a atitude do Governo da Nova Zelândia, apesar de seu objetivo de evitar que a embarcação zarpasse ter fracassado.   O Rainbow Warrior II, a embarcação do Greenpeace, participou da operação e se colocou em frente ao navio carregado com 60 mil toneladas de carvão pertencentes à empresa estatal neozelandesa Solid Energy.   O Greenpeace realiza uma campanha internacional contra o aquecimento global, o que inclui a promoção do uso de energias limpas e denúncias das que produzem o efeito estufa, como o carvão.   No dia 10 de julho de 1985, os serviços secretos franceses afundaram o primeiro Rainbow Warior na baía de Auckland, antes de um protesto contra os testes nucleares que a França realizava nessa ilha do Pacífico sul.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.