Na ONU, Bush enfrentará discussões sobre Oriente Médio

Os holofotes mundiais se voltam novamente ao Iraque e às áreas problemáticas do Oriente Médio durante a passagem do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, pela sede da ONU, em Nova York, para responder a diversas acusações globais envolvendo sua administração.A visita de três dias do presidente americano inclui encontros bilaterais com seis líderes estrangeiros, incluindo os presidentes do Iraque e da Autoridade Palestina, e um discurso na Assembléia Geral das Nações Unidas que enfocará sua visão sobre o Oriente Médio.Os dias de diplomacia acontecem enquanto o presidente se prepara para um trabalhoso planejamento político. Bush, que tardiamente tentou deixar de fora do debate eleitoral anual a impopular guerra americana no Iraque, planeja gastar grande parte das próximas sete semanas de campanha com seus partidários republicanos.E ele não deixará a política para trás durante sua estada em Nova York: na noite desta segunda-feira ele comandará uma arrecadação de fundos para o Comitê Nacional Republicano na mansão do bilionário Henry Kravis, em Manhattan. Já nas Nações Unidas, Bush tentará destacar sua meta para disseminar a democracia pelo mundo. Para tal fim, Bush passará o dia se reunindo com líderes da Malásia - uma democracia com um governo islâmico moderado -, El Salvador e Honduras - duas nações centro-americanas que passaram da ditadura militar para a democracia - e a Tanzânia - uma emergente democracia africana. Receberão maior atenção, porém, os encontros da terça e quarta-feira, começando pelo encontro de Bush com o presidente da França, Jacques Chirac. O líder francês é um dos membros das nações que trabalham junto com os Estados Unidos para tentar conter as ambições nucleares do Irã.O Irã acelerou seu programa nuclear e desafiou as exigências da ONU, e os Estados Unidos espera ter uma resolução para aplicar sanções ao governo de Teerã no encontro desta semana. Oficiais da administração disseram não esperar que Bush dê um ultimato ao país, mas acreditam que sanções deverão acontecer em breve.O presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad também planejou ir à ONU, mas na semana passada Bush rejeitou qualquer discussão com ele até que o Irã suspenda o enriquecimento de urânio.Na tarde de terça-feira, Bush deverá se encontrar com o presidente iraquiano Jalal Talabani para discutir o progresso do Iraque com a democracia, apesar da continuidade da violência. Cerca de 200 pessoas foram mortas em ataques ou torturadas e jogadas em rios e ruas de Bagdá desde a última quarta-feira, e políticos argumentam a proposta de transformar o Iraque em um Estado federalista. Pesquisas mostram que a guerra no Iraque é impopular entre os americanos, e os republicanos temem que isso possa custar votos na eleição de novembro. Bush vem tentando deslocar o foco da guerra para o combate ao terror nas últimas semanas. Antes de retornar a Washington na quarta-feira, Bush planeja encontrar-se com o presidente palestino Mahmoud Abbas, que luta para que o Hamas abrande sua ideologia anti-Israel. Segundo funcionários do presidente, Bush deverá discutir maneiras de a comunidade internacional ajudar os palestinos, o Iraque e o Líbano.Matéria ampliada às 17h34

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.