Mike Segar/Reuters
Mike Segar/Reuters

Na ONU, Lula exige volta de Zelaya à presidência de Honduras

Em discurso na Assembleia Geral da ONU, presidente também defendeu reformas em organismos multilaterais

BBC Brasil, BBC

23 de setembro de 2009 | 12h00

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva abriu a Assembleia Geral das Nações Unidas nesta quarta-feira, em Nova York, fazendo um apelo para que o presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, seja reconduzido à presidência do país centro-americano.  

 

Veja também: 

linkPara juristas, situação de Zelaya é caso inédito

link Entrevista: Zelaya diz que espera solução pacífica para crise

lista Ficha técnica: Honduras, um país pobre e dependente dos EUA

lista Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda em Honduras

especialCronologia do golpe de Estado em Honduras

especialEntenda a origem da crise política em Honduras

mais imagens Veja galeria de imagens do retorno

som Eldorado: Ouça comentário de Lula sobre crise política

video TV Estadão: Jornalistas do 'Estado' discutem impasse em Honduras

 

Durante o discurso de abertura da Assembleia - tradicionalmente feito pelo presidente do Brasil -, Lula reiterou ainda que a comunidade internacional deve estar atenta à "inviolabilidade" da embaixada brasileira na capital hondurenha, Tegucigalpa, onde Zelaya está abrigado desde a última segunda-feira.

"A comunidade internacional exige que Zelaya reassuma imediatamente a Presidência de seu país e deve estar atenta à inviolabilidade da missão diplomática brasileira na capital hondurenha", disse Lula, sendo em seguida bastante aplaudido pelos líderes presentes na sede da ONU.

Embora tenha feito declarações em relação à crise em Honduras, o discurso de Lula foi dominado pela defesa de reformas em organismos internacionais como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial.

"Doutrina absurda"

Afirmando que a crise econômica internacional marcou a falência "da doutrina absurda de que os mercados podem se autorregular, dispensando a intervenção do Estado", Lula afirmou que é "imprescindível refundar a ordem econômica mundial".

"Meu país propõe uma autêntica reforma dos organismos financeiros multilaterais", disse.

"Os países pobres e em desenvolvimento têm de aumentar sua participação na direção do FMI e do Banco Mundial. Sem isso não haverá efetiva mudança e os riscos de novas e maiores crises serão inevitáveis."

O presidente brasileiro afirmou ainda que "não é possível que o mundo continue a ser regido pelas normas da conferência de Bretton Woods" e criticou o que chamou de "resistências em se adotar mecanismos efetivos de regulação dos mercados financeiros". BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.