Na posse de Kirchner, aplausos para Lula e Fidel

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva antecipou sua volta de Buenos Aires em uma hora e deverá chegar a Brasília por volta das 21h. No avião de Lula, além da comitiva oficial, que inclui o presidente do Senado e ex-presidente da República José Sarney, embarcaram também o ex-presidente argentino Eduardo Duhalde e sua mulher, Hilda Chiche Duhalde. O casal está em férias. Eles vão passar um ou dois dias em Brasília e pretendem depois descansar em uma praia. Mas o destino de Duhalde e sua mulher não foram revelados.Lula se propôs a uma passagem discreta por Buenos Aires onde ficou menos de 24 horas para as solenidades de posse do novo presidente argentino, Néstor Kirchner. Não daria entrevistas nem andaria pelas ruas. A festa era de Kirchner e do povo argentino e Lula não tinha a menor intenção de disputar a cena, diziam seus assessores mais próximos logo pela manhã. Masnão foi bem assim e Lula roubou a cena na mais formal dascerimônias, na transmissão de cargo no plenário do CongressoNacional argentino.Assim que entrou no plenário já lotado por parlamentares, alguns populares nas galerias, delegações estrangeiras efamiliares dos novos poderosos da Argentina, o presidentebrasileiro foi saudado com intenso e prolongado aplauso, comdireito ainda a apupos de "Lula, Lula, Lula". Só perdeu,poucos minutos depois, para a entrada triunfal do presidente deCuba, Fidel Castro. Este, muito mais aplaudido. Depois de Fidel e Lula, os argentinos também andam encantados com o presidente venezuelano, Hugo Chávez, o terceiro mais aplaudido entre os convidados estrangeiros.A recepção calorosa a Lula estendeu-se às ruas dacapital argentina. À saída do Congresso, o presidente brasileiro, mesmo acompanhado de um dos mais rigorosos esquemas desegurança dispensados às autoridades estrangeiras, ainda foiagarrado por populares à entrada do carro oficial. Como fazcostumeiramente na porta do Palácio da Alvorada, Lula não sefurtou a cumprimentar dois ou três admiradores. Não mais porquea segurança não permitiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.