Na posse, deputado muçulmano dos EUA usará Alcorão

O primeiro muçulmano eleito para o Congresso norte-americano, criticado por decidir prestar juramento de posse sobre o Alcorão em vez da Bíblia, usará um exemplar do livro sagrado do Islã que pertenceu a Thomas Jefferson, disse um funcionário na quarta-feira.O deputado eleito Keith Ellison, democrata de Minnesota, solicitou o exemplar daquele Alcorão do século 18 para a parte extra-oficial da sua posse, na quinta-feira, segundo Mark Dimunation, diretor de livros raros e coleções especiais da Biblioteca do Congresso, em Washington, procurado pelo parlamentar em busca de algum exemplar que fosse especial.Ellison, que comprova ter ancestrais nos EUA desde 1741, é um muçulmano convertido. Vários blogs e pelo menos um comentarista conservador de rádio já o atacaram por ter anunciado que usará o Alcorão na sua cerimônia extra-oficial.Interesse históricoJefferson, terceiro presidente dos EUA (1801-09), era um colecionador com muitos interesses. Sua biblioteca de 6.000 volumes, a maior da América do Norte na época, foi o embrião da atual Biblioteca do Congresso.Os deputados norte-americanos tomam posse coletivamente, sem Bíblia nem outro livro qualquer. Mas, num país em que três em cada quatro pessoas se dizem cristãs, a Bíblia sempre compareceu às cerimônias extra-oficiais que se seguem.O republicano Virgil Goode, deputado pelo distrito em que Jefferson viveu, na Virgínia, foi um dos que criticaram o uso do Alcorão na cerimônia de seu colega. Ele propôs rígidas políticas imigratórias para manter os muçulmanos afastados dos Estados Unidos.O Alcorão da coleção de Jefferson, traduzido para o inglês, data da década de 1750. Jefferson vendeu seus livros ao Congresso para substituir a biblioteca perdida na queima do Capitólio pelos britânicos durante a guerra de 1812. Grande parte da coleção foi destruída por um incêndio em 1851, mas o Alcorão que Ellison usará sobreviveu, segundo Dimunation.Ellison, natural de Detroit, será um dos 42 negros no próximo mandato da Câmara. Haverá um senador negro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.