Na Síria, protesto autorizado pelo governo é cancelado

Ativistas cancelaram a primeira manifestação aprovada pelo governo sírio desde o fim do estado de emergência - que vigorou no país por 48 anos - afirmou um funcionário sírio. A silenciosa vigília à luz de velas numa praça pública de Damasco seria em homenagem às 900 pessoas mortas desde que o levante contra o governo do presidente Bashar al-Assad teve início, em meados de março.

AE, Agência Estado

23 de maio de 2011 | 13h28

Alguns oponentes de Assad afirmaram nos últimos dias que planejavam manter a vigília até a queda do regime. Todas as manifestações haviam sido proibidas durante o estado de emergência na Síria, abolido no mês passado. Agora, os organizadores precisam obter permissão oficial para realizar protestos. Mas ativistas dos direitos humanos zombaram da regra, afirmando que seriam atacados como represália caso tentassem organizar uma manifestação contra o governo.

Segundo a fonte, a vigília foi cancelada a pedido de seus organizadores. Ele pediu que seu nome não fosse divulgado, já que não tem permissão para falar com meios de comunicação.

O levante representa o mais sério desafio à dinastia da família Assad, no governo há 40 anos. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Síriaprotestoscancelamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.