Na TV, Bush diz reconhecer seus erros

Em entrevista à CNN, presidente diz que escreverá livro após deixar cargo

REUTERS E AP, O Estadao de S.Paulo

13 de novembro de 2008 | 00h00

A dois meses de aposentar-se como o presidente mais impopular da história dos EUA, George W. Bush admitiu alguns de seus erros, em entrevista à rede CNN, que foi ao ar na noite de terça-feira. "Lamento ter dito algumas coisas que não deveria", disse o presidente, que reconheceu que errou na condução da política externa e na luta contra o terrorismo."Não deveria ter dito ?vivo ou morto?", afirmou Bush, em referência ao pedido feito pela cabeça do terrorista Osama bin Laden. "Eu estava tentando passar uma mensagem, mas deveria ter sido mais cuidadoso." O presidente também lembrou de suas declarações feitas a bordo do porta-aviões USS Abraham Lincoln após o começo da guerra no Iraque, em maio de 2003. Na ocasião, Bush discursou ao lado de uma faixa em que se lia: "Missão Cumprida." "Infelizmente, aquela faixa estava lá, mas é claro que eu não achava que a guerra estava acabada."FUTURODepois de entregar o cargo para Barack Obama, em janeiro, Bush disse que pretende retornar ao Texas e escrever um livro. "Queria que as pessoas soubessem como foi tomar as decisões que eu tive de tomar. Algumas foram difíceis e gostaria que os americanos soubessem a verdade", disse. "Isso levará um certo tempo, mas será um projeto interessante."O presidente disse ainda que sentirá falta da Casa Branca. "Sentirei saudades de algumas coisas que fazem parte da presidência. Por outro lado, quero muito ir para casa, então tenho emoções mistas." OBAMABush falou também a respeito de sua reunião com Obama. "Foi uma conversa particular. Ele me pediu alguns conselhos e acredito que pedirá de novo. A melhor maneira de fazer com que ele fique à vontade para pedir novos conselhos, porém, é não falar sobre o assunto."Contudo, Bush disse que o presidente eleito trará "um espírito de família" para a Casa Branca. "Depois que conversamos sobre política e economia, Obama quis saber como suas filhas viveriam, ele subiu as escadas e quis saber onde elas iriam dormir", contou. "Está muito claro para mim que ele levará um sentido de família para a Casa Branca." Para o presidente, a eleição de Obama foi uma vitória da democracia americana. "Muita gente achou que não viveria para ver um negro na presidência. É bom que a população tenha fé no sistema e interesse no futuro."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.