Na véspera do debate, Kerry reforça crítica à guerra

O senador John Kerry, candidato do Partido Democrata à presidência dos EUA, disse que o presidente George W. Bush e o vice, Dick Chaney, "devem ser as duas últimas pessoas no mundo que não encaram a verdade" sobre a situação no Iraque. Em sua crítica mais pesada até agora, o candidato disse que se Bush continuar a não enxergar a gravidade dos problemas no Iraque, "eu poderei receber o Líbano, por assim dizer". Kerry se referia à situação caótica gerada pela guerra civil libanesa, que durou de 1975 a 1990, matou mais de 150.000 pessoas de devastou a capital, Beirute, que antes era conhecida como "Paris do Oriente". Em 1983, ataques suicidas contra a embaixada americana mataram 63 pessoas, e o bombardeio de uma base dos fuzileiros navais americanos matou 241 soldados. O presidente de então, Ronald Reagan, ordenou a retirada americana do país. Os comentários de Kerry vêm como um aquecimento para o debate desta sexta-feira com Bush, o segundo da campanha. O candidato democrata conseguiu vantagem sobre seu adversário do debate passado. Um terceiro confronto está marcado para quarta-feira, 13 de outubro. Hoje, Kerry olhou para câmera durante a entrevista e lançou um desafio pessoal a Bush: "Senhor presidente, o povo americano merece mais que tergiversações sobre esta guerra", disse. "Merece fatos que representem a realidade, não argumentos cuidadosamente polidos e afirmações que simplesmente são calculadas para reforçar uma percepção preconcebida".

Agencia Estado,

07 Outubro 2004 | 18h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.