Nacionalista veterano é eleito presidente da Sérvia

O presidente eleito da Sérvia, Tomislav Nicolic, é um nacionalista ultra veterano que afirma ter se transformado em um populista a favor da União Europeia (UE). O político de 60 anos e ex-administrador de um cemitério - do qual vem o apelido Toma, o coveiro - perdeu duas eleições antes de vencer o sufrágio no domingo e derrotar o presidente Boris Tadic, que tentava a reeleição.

AE, Agência Estado

21 Maio 2012 | 14h22

Durante as guerras dos anos 1990 nos Bálcãs, Nicolic foi o vice-líder do extremista Partido Radical Sérvio, que era ainda mais linha-dura que Slobodan Milosevic - que levou a região a uma longa guerra.

Nikolic era um discípulo leal de Vojislav Seselj, um político da extrema direita cujo julgamento está em curso no tribunal para crimes de guerra das Nações Unidas, em Haia, Holanda. Nicolic apoiou os combatentes sérvios nas guerras que fragmentaram a antiga Iugoslávia e lutou como voluntário durante a guerra com a Croácia. Mais tarde, ele foi vice-primeiro-ministro no governo de Milosevic em 1999, quanto a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) bombardeou a Sérvia para impedir a ocupação da província rebelde de Kosovo.

A transformação gradual de Nicolic começou em 2000, quando Milosevic foi derrubado. Seselj foi preso e enviado a Haia em 2003. Nicolic mudou aos poucos suas posições políticas extremas, da extrema-direita para a centro-direita, abrandando a retórica e adotando um discurso mais tolerante. Enquanto ainda era vice líder do Partido Radical Sérvio, Nikolic perdeu duas eleições para Tadic em 2004 e 2008.

Em 2008, Nicolic deixou o Partido Radical e fundou seu próprio partido, o Partido Progressista Sérvio. Ele permaneceu aliado à Rússia, mas também passou a apoiar a adesão da Sérvia à União Europeia (UE).

Nestas eleições, Nicolic se descreveu como um "pai" no qual os sérvios podem confiar. Ele criticou a suposta corrupção entre as elites e afirmou ter sido vítima de um "linchamento moral" da mídia. "A eleição coroa minha carreira política e este é um dos dias mais felizes da minha vida", disse.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.