Nacionalistas e reformistas disputam eleição na Sérvia

Os sérvios votam neste domingo em eleição que deverá ser uma dura disputa entre ultranacionalistas e reformistas pró-Ocidente. O país ainda está se recuperando de uma década de sanções e isolamento sob o comando do autocrata Slobodan Milosevic, retirado do poder em 2000. O Ocidente afirma que a Sérvia precisa decidir agora se quer retomar seu lugar na Europa. Pesquisas de opinião mostram que a disputa está acirrada. O Partido Radical, ultranacionalista, e o Partido Democrático, pró-Ocidente, estão com 30% nas pesquisas, o que não é suficiente para formar governo. O Partido Democrático da Sérvia, do primeiro-ministro Vojislav Kostunica, está em terceiro lugar e pode apoiar qualquer um dos lados para a formação de um gabinete. Cerca de 6,6 milhões de sérvios podem votar. Os postos eleitorais fecham às 17h (horário de Brasília). O novo governo enfrentará o desafio de implementar mudanças econômicas dolorosas e lidar com dois grandes temas internacionais: o futuro da província de Kosovo e a entrega do criminoso de guerra fugitivo Ratko Mladic. A Organização das Nações Unidas (ONU) deve decidir neste ano o futuro de Kosovo. O Ocidente prefere independência para a maioria de etnia albanesa, que vem exigindo isso desde 1999, quando bombas da Otan expulsaram as forças sérvias, acusadas de matar civis enquanto combatiam a insurgência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.