"Não achamos armas, mas agimos certo" no Iraque, diz Bush

Defendendo-se das críticas pelas falhas do setor de inteligência americano em relação ao Iraque, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, tentou convencer os eleitores de que tomou a decisão certa ao invadir o país árabe. Mas admitiu que não foram achadas as armas de extermínio que serviram como justificativa para a guerra.Bush fez declarações semelhantes antes, mas as de hoje foram significativas porque, na semana passada, o Comitê de Inteligência do Senado divulgou relatório concluindo que a CIA exagerou o perigo representado por Saddam Hussein. Hoje, Bush voltou a defender a CIA, dizendo que a agência fez um "trabalho notável"."Embora não tenhamos encontrado estoques de armas de destruição em massa, estávamos certos ao entrar no Iraque", disse Bush, durante visita a um laboratório nuclear em Oak Ridge, no Estado do Tennessee, onde armazenado material nuclear do programa nuclear da Líbia, que renunciou às armas atômicas.Apesar de as pesquisas indicarem que a maioria dos americanos acredita que a ameaça do terror aumentou, Bush argumentou que as guerras ao Iraque e ao Afeganistão tornaram os EUA mais seguros.

Agencia Estado,

12 de julho de 2004 | 18h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.