Não Alinhados pedem liberdade de prisioneiro palestino

O movimento dos 118 Países Não Alinhados reivindicou hoje que Israel liberte um grande número de prisioneiros políticos palestinos - inclusive 300 com menos de 18 anos e 10 membros do conselho legislativo palestino - como um passo positivo em direção à paz.

AE, Agência Estado

27 de maio de 2011 | 15h26

No fim de uma reunião ministerial na Indonésia, o movimento reiterou seu apoio à criação de um Estado palestino com base nas fronteiras de 1967, posição compartilhada com os Estados Unidos e pela Organização das Nações Unidas (ONU), porém rejeitada por Israel.

Em um comunicado conjunto, os ministros "reafirmaram o consenso internacional de longa data reconhecendo o povo palestino como uma nação e seu direito inalienável de autodeterminação e independência do Estado da Palestina, com Jerusalém Oriental como sua capital".

O presidente da Indonésia, Susilo Bambang Yudhoyono, abriu a reunião na quarta-feira, 25, e alertou sobre as novas rivalidades estratégicas entre os países enquanto o mundo lida com desafios complexos como o terrorismo e as mudanças climáticas. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Não AlinhadospalestinaIndonésia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.