Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

''Não estamos vencendo'', admite Obama

Presidente dos EUA diz que situação no país é ?complexa? e não descarta cooperação do Exército com Taleban

NYT, O Estadao de S.Paulo

07 de março de 2009 | 00h00

O presidente americano, Barack Obama, admitiu que os EUA não estão vencendo a guerra no Afeganistão e abriu as portas para um processo de reconciliação no qual o Exército tentaria trabalhar juntamente com membros do Taleban - estratégia bem-sucedida utilizada com insurgentes no Iraque. Em entrevista ao jornal The New York Times, Obama demonstrou confiança em suas seis primeiras semanas no cargo, apesar da turbulência econômica e da situação no Afeganistão e no Paquistão. O presidente também deixou aberta a opção de capturar suspeitos de terrorismo em outros países mesmo sem a autorização dessas nações."Eu gostaria de ter o luxo de lidar apenas com uma recessão modesta ou apenas com o Iraque ou o Afeganistão", afirmou o presidente. "Mas eu não tenho esse luxo e acho que o povo americano também não tem."Obama discutiu a luta contra o terrorismo no Afeganistão e disse que os EUA poderiam utilizar no país a mesma estratégia implementada no Iraque pelo general David Petraeus de se aliar a insurgentes para combater grupos islâmicos. O plano é considerado responsável pelo sucesso dos americanos em diminuir a violência e o apoio à rede terrorista Al-Qaeda no país árabe.No entanto, o presidente reconheceu que a mesma estratégia pode não ter o mesmo êxito no Afeganistão. "A situação no Afeganistão é mais complexa", afirmou Obama. "Lá você tem uma região menos governada, uma história de independência violenta entre tribos, que são múltiplas e muitas vezes operam em propósitos conflitantes, então lidar com tudo isso será um grande desafio."A aproximação do Exército americano com alguns membros do Taleban também é outro problema carregado de complexidades, como descobrir quais integrantes do grupo insurgente estariam dispostos a trabalhar com os americanos e quais seriam uma ameaça para o plano dos EUA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.