REUTERS/Pawel Kopcynski
REUTERS/Pawel Kopcynski

Não há clima de decretar emergência na Alemanha, diz embaixador do Brasil

Em entrevista à 'Rádio Estadão', Mário Vilalva afirmou que primeiros contatos com a polícia do país europeu indicam que não haja brasileiros entre os feridos

Thaís Barcellos, O Estado de S.Paulo

20 Dezembro 2016 | 10h33

SÃO PAULO - O embaixador do Brasil na Alemanha, Mário Vilalva, disse que, até o momento, não há clima que sugira que o país europeu vá decretar estado de emergência após o atentado ocorrido na noite de segunda-feira, 19, em Berlim. A declaração foi dada em entrevista à Rádio Estadão na manhã desta terça-feira, 20, na qual o diplomata comentou a situação após o ataque com um caminhão que avançou contra uma feira de Natal e matou 12 pessoas.

Vilalva afirmou que a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, está reunida com seu comitê de segurança, mas que a principal preocupação é tranquilizar a população e investigar o caso para apurar o que de fato aconteceu.

Nesta terça-feira, Merkel deu uma breve declaração, na qual disse que seria um enorme desgosto para Alemanha a confirmação de que o ataque teria sido realizado por alguém que recebeu asilo político no país. Informações preliminares apontam que o atentado teria sido cometido por um paquistanês com um caminhão roubado na fronteira entre a Polônia e a Alemanha, mas ainda não houve confirmação.

Segundo o embaixador, a principal preocupação era saber se havia algum brasileiro envolvido com o ataque ou entre um dos feridos para poder prestar os devidos cuidados. Mas, segundo ele, os primeiros contatos com a polícia alemã negaram essa possibilidade. Em algumas horas, deve haver confirmação final sobre o assunto.

Clima de solidariedade. Vilalva ainda afirmou que nenhum partido político se manifestou sobre o assunto até agora e que o clima é de solidariedade nesta terça-feira. "Não há reação político-partidária sobre o incidente de ontem. Isso deve acontecer nos próximos dias, mas agora é um momento de solidariedade", disse.

Segundo o embaixador, o momento é delicado em Berlim. "As pessoas não estão circulando livremente pelas ruas, porque há receio de que possa haver novos atentados", reconheceu.

O embaixador ainda lamentou o atentado contra o embaixador da Rússia na Turquia, Andrei Karlov, que foi assassinado na cidade de Ancara também na noite desta segunda-feira. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.