AFP PHOTO | ORLANDO POLICE DEPARTMENT
AFP PHOTO | ORLANDO POLICE DEPARTMENT

Não há informação de que brasileiros estejam entre as vítimas, diz Consulado-Geral

Representação diplomática abriu uma linha telefônica de emergência para possíveis parentes de cidadãos do Brasil que estão em busca de informações

O Estado de S. Paulo

12 Junho 2016 | 14h08

O Consulado-Geral do Brasil em Miami informou, por volta das 13h (em Brasília), que não havia informações sobre cidadãos brasileiros feridos ou mortos no ataque à casa noturna Pulse, em Orlando. Em sua conta oficial no Facebook, a representação diplomática afirmou que “encontra-se em regime de plantão e acompanha atentamente os fatos em Orlando”.

Mesmo sem indícios de brasileiros vitimados pelo atirador que matou 50 pessoas e feriu outras 53, o Consulado-Geral abriu uma linha telefônica de emergência para possíveis parentes de cidadãos do país em busca de informações. O número, +1 (305) 801-6201, é exclusivo para parentes de brasileiros em busca de informações.

Autoridades locais já tratam o caso como um ato de terrorismo. Segundo o FBI, a agência ainda tenta identificar se a motivação do atentado é de cunho homofóbico ou religioso.

A polícia faz buscas na casa do atirador e procura no perfil das redes sociais do suspeito, Omar Mateen, informações ou pistas que liguem o atirador a células terroristas.

“Nos próximos dias iremos procurar entender onde esse indivíduo se inspirou para colocar em prática esse horrível ato de terrorismo”, afirmou à rede de televisão CNN o senador pela Flórida Marco Rubio, que qualificou o caso como o pior massacre da história do país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.