Não há nada que justifique uma guerra ao Iraque, diz Blix

O chefe da missão de inspetores de armas químicas e biológicas da Organização das Nações Unidas (ONU), Hans Blix, garantiu o jornal norte-americano The New York Times que seus subordinados não encontraram nenhuma evidência capaz de justificar uma guerra contra o Iraque.Blix, que em 14 de fevereiro deverá voltar a apresentar seusachados perante o Conselhode de Segurança (CS) da ONU, explicou ao The New York Times o motivo pelo qual não pediu explicitamente ao CS mais tempo para sua missão. "Não peço mais tempo porque a atitude do Iraque não mudou."Ao mesmo tempo, porém, desmentiu o secretário de Estado norte-americano, Colin Powell, segundo o qual os especialistas em desarmamento teriam detectado tentativas do Iraque de esconder materiais proibidos antes de suas visitas. "Os inspetores não relataram nenhum incidente desse tipo."Em entrevista de duas horas às jornalistas Judith Miller e Julia Preston, Blix disse não possuir provas de que Bagdá tenha transportado em segredo cientistas a Síria, Jordânia e outros países para impedir que fossem interrogados.Nunca houve motivo para pensar que os cientistas interrogadospelos inspetores fossem, na verdade, agentes secretos iraquianos como garantiu o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush,em seu discurso sobre o Estado da União.O chefe dos inspetores de armas químicas e biológicas da ONUtambém garantiu que seus homens não encontraram nenhum indício de substâncias químicas ou agentes biológicos nas ogivas vazias encontradas em janeiro no Iraque.Blix também aproveitou a entrevista, publicada hoje, para desmentir sugestões de que teria provas sobre as relações entre o Iraque e a Al-Qaeda.O especialista rejeitou ainda as afirmações de Bush segundo asquais uma guerra contra o Iraque é "necessária para evitar umarepetição do 11 de setembro" de 2001.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.