Não há notícia oficial sobre vítimas brasileiras até o meio-dia

A assessoria de Comunicação Social do Itamaraty informou hoje que não há notícias oficiais sobre vítimas brasileiras até 12 h de hoje nos atentados ocorridos ontem nos Estados Unidos. Segundo o ministro Luiz Fernando Ligieiro, chefe da assessoria de Comunicação Social, o Itamaraty terá extremo cuidado ao divulgar informações sobre as vítimas brasileiras. "Somente daremos informações oficiais", afirmou. O Itamaraty informou ainda que hoje funcionários do consulado geral do Brasil em Nova Iorque iniciam trabalho de visita aos hospitais da cidade em busca de informações a respeito de brasileiros que possam ter sido feridos ou mortos. De acordo com a assessoria, as centrais de atendimento por telefone tanto do Itamaraty quando do consulado em Nova Iorque estão preenchendo formulários sobre brasileiros que não foram ainda localizados por seus parentes. No consulado, estão sendo feitos os cruzamentos dos dados. Somente na noite passada, o consulado recebeu 50 chamadas de pessoas que buscavam informações sobre brasileiros residentes naquela cidade. O Itamaraty recomendou que as pessoas que tenham feito consultas e que, posteriormente, tenham localizado seus parentes, que voltem a chamar para informar se eles foram encontrados. No consulado em Nova Iorque trabalham 70 funcionários entre diplomatas, oficiais de chancelaria e outros servidores. Um grupo de 20 funcionários foi escalado para trabalhar permanentemente no atendimento a brasileiros. Hoje o edifício onde está localizado o consulado foi aberto parcialmente ao público. Ontem, embora o consulado continuasse trabalhando, as pessoas que queriam buscar informações foram impedidas de entrar no prédio. Problemas diferentesDe acordo com o Itamaraty, o consulado do Brasil em Nova Iorque identificou dois grupos de brasileiros com problemas. O primeiro é o daqueles que não se tem notícia, se estariam entre as vítimas ou não. O outro grupo é o de pessoas que não têm como sair de Nova Iorque, uma vez que os aeroportos continuam interditados. Muitas destas pessoas foram desalojadas dos hotéis onde estavam hospedadas que foram esvaziados por questão de segurança. Outros hotéis que poderiam abrigá-los elevaram o valor das diárias. Para estes casos, a prefeitura de Nova Iorque organizou abrigos de emergência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.