Não há prova de atividades proscritas, diz inspetor-chefe da ONU

O inspetor-chefe de armas da Organização das Nações Unidas (ONU) , Hans Blix, disse hoje, na leitura de seu relatório, diante do Conselho de Segurança, que sua equipe encontrou poucas dificuldades nas inspeções realizadas no Iraque. Segundo ele, não foi encontrada nenhuma evidência de atividades proscritas, e não há prova de atividade proibida em locais móveis. Blix afirmou que a destruição dos mísseis Al Samoud 2 constitui uma medida substancial de desarmamento. "Não observamos uma destruição de palitos de dentes, mas sim de armas letais", afirmou. Na apresentação de seu relatório atualizado ao Conselho de Segurança da ONU, Blix destacou que a recente cooperação do Iraque com as averiguações pode ser considerada "ativa ou até mesmo pró-ativa". Blix disse que o Iraque forneceu documentos adicionais sobre seus estoques de antraz e agente do gás VX. Segundo o inspetor-chefe, muitos dos documentos confirmaram dados anteriormente declarados, mas outros exigem análises e estudos. Blix declarou ainda que, se o Iraque continuar a manter uma cooperação pró-ativa, ainda serão necessários alguns meses para garantir que o país cumpriu com todas as exigências remanescentes de desarmamento; ele pretende apresentar essa lista de tarefas ao Conselho de Segurança no final deste mês. "Não serão anos, nem semanas, mas meses", afirmou Blix, enfatizando que, mesmo com o cumprimento das tarefas, as inspeções devem continuar e o Iraque deve continuar sendo monitorado.Blix afirmou que o Iraque não realizou nenhuma destruição de mísseis hoje, mas ressaltou que espera que essa interrupção seja temporária.Referindo-se ao parágrafo 9 da resolução 1.441 que determinou que o Iraque colaborasse "imediatamente, sem precondições e de maneira ativa" com os inspetores, Blix afirmou que não poderia declarar que houve cooperação imediata. "É óbvio que várias iniciativas foram tomadas pelo Iraque com o objetivo de resolver algumas questões antigas sobre desarmamento e que essas ações podem ser vistas como ativas ou pró-ativas, mas essas iniciativas foram realizadas três ou quatro meses após o início das inspeções e não podem ser consideradas cooperação imediata", declarou. "No entanto, (essas iniciativas) são benvindas e o UNMOVIC está respondendo a elas na esperança de resolver as pendências atuais sobre desarmamento."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.