Não há provas contra o Iraque, diz inspetor-chefe da ONU

O inspetor-chefe de armas da ONU, Hans Blix, disse nesta quinta-feira que não foi encontrada nenhuma evidência da existência de armas de destruição em massa no Iraque. Falando ao Conselho de Segurança da ONU pela última vez antes de se aposentar, no fim do mês, Blix afirmou que várias perguntas ficaram sem resposta no Iraque, mas que isso não significa necessariamente que o país possua o arsenal proibido."Não é justificado chegar a uma conclusão precipitada, de que algo existe só porque não foi encontrado", disse. Os comentários de Blix acontecem em meio a questionamentos sobre a forma como os governos americano e britânico apresentaram as evidências sobre a suposta existência das armas iraquianas antes da guerra.Um ex-oficial do Departamento de Estado americano, Greg Thielman, disse em entrevista à BBC que as evidências apresentadas pelos Estados Unidos sobre a existência de armas no Iraque antes da guerra foram distorcidas. Até setembro do ano passado, Thielman era encarregado de analisar as informações vindas de todas as fontes disponíveis no governo americano.EUA e Grã-Bretanha"A forma como outras áreas da comunidade de inteligência, como a CIA, embalaram as informações e as apresentaram aos seus superiores não pareceram sempre ser a mais objetiva", disse Thielman. "As evidências foram distorcidas e o público foi realmente enganado em assuntos que ajudaram a decidir sobre guerra e paz." Na Grã-Bretanha, também surgiram mais dúvidas sobre a forma como o primeiro-ministro Tony Blair lidou com as informações recebidas dos serviços de inteligência sobre o Iraque."Uma fonte bem informada próxima ao serviço de inteligência britânico me disse que o governo retornou os rascunhos (do relatório sobre as evidências da existência de armas no Iraque) para o Comitê de Inteligência seis ou oito vezes com o pedido de que a linguagem fosse reforçada", disse o correspondente da BBC, Barnaby Mason. A fonte disse que o próprio Blair estaria envolvido nesse processo.Em resposta, o governo britânico disse que não pressionou o serviço de inteligência para mudar o documento.As informações são do site da BBC em português. Para ler o noticiário da BBC, que é parceira do estadao.com.br, clique aqui.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.