Não há razão para desespero sobre pneumonia, diz OMS

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que o número de pessoas infectadas pela doença que está gerando uma pneumonia atípica já chega a 167 desde meados de fevereiro, com quatro casos fatais. Os pacientes foram identificados em Hong King, no Vietnã, Alemanha, Cingapura,China, Canadá e Tailândia. Além disso, as autoridades sanitáriassuíças afirmaram hoje que duas pessoas estão sendo observadas em Genebra, pois existe o risco de que também estejam contaminadas. Os dois suspeitos de terem contraído a doença chegaram há poucos dias da Ásia e estão hospitalizados. Apesar do alerta, a OMS garante que não há motivos paradesespero. "Não vamos colocar por enquanto restrições àqueles quequeiram viajar para países onde a doença foi detectada",garante um porta-voz da OMS.A entidade reconhece que, por enquanto, não sabe como tratar da doença e adverte que remédios antivirais e contra bactérias não funcionaram nos pacientes em que foram testados. O que está tranqüilizando os médicos da OMS é que a maioria dos casos ocorre entre os funcionários dos hospitais ou entre os familiares dos pacientes.A OMS afirma que está colocando em prática uma cooperação internacional para tentar identificar os motivos da doença. "Onze laboratórios em dez países estão trabalhando dia e noite para tentar esclarecer de onde vem a doença e qual deve ser o tratamento adequado", afirma o porta-voz da OMS.No Brasil, a OMS esclarece que a doença apenas chegaria se um passageiro contaminado que saísse da Ásia viajasse ao País e, durante o vôo, transmitisse o vírus para as demais pessoas no avião. "Isso poderia ocorrer por causa da longa duração do vôo entre a Ásia e o Brasil", completa o técnico da entidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.