Não há sobreviventes da queda do avião da Air Algerie, diz Hollande

Presidente francês afirmou que causas do acidente são investigadas e caixa-preta da aeronave foi encontrada e levada para o Mali

O Estado de S. Paulo

25 Julho 2014 | 10h15

PARIS - O presidente da França, François Hollande, disse nesta sexta-feira, 25, que não há sobreviventes da queda do avião operado pela Air Algerie no leste do Mali e a caixa-preta já foi encontrada. A aeronave fazia a rota Ouagadougou-Argel na quinta-feira e 50 minutos depois de decolar desapareceu.

Em uma breve declaração, Hollande afirmou ainda que a caixa-preta foi enviada para a cidade de Gao, no norte do Mali.

Cerca de cem militares franceses chegaram nesta manhã na região onde estão os destroços do avião MD-83, propriedade da companhia aérea espanhola Swiftair, perto da fronteira com Burkina Fasso, informou o presidente.

"Os destroços do avião estão concentrados em um espaço limitado, mas é cedo demais para tirar conclusões sobre os motivos do acidente", acrescentou Hollande. Mesmo com a hipótese de mau tempo ter sido a causa do acidente, o líder francês afirmou que nada está descartado.

Por isso, a companhia Air France-KLM vai evitar sobrevoar a área do acidente como "medida de precaução", disse um porta-voz do grupo francês nesta sexta. O porta-voz informou que a companhia aérea continua a voar para a capital malinesa, Bamako, mas usando outras rotas, a oeste do local do desastre no norte do país.

Hollande disse compartilhar "a dor das famílias" das vítimas e informou que amanhã os parentes dos 51 mortos franceses serão recebidos no Ministério das Relações Exteriores do país. "Todos meus pensamentos estão com as vítimas, as famílias."

O presidente garantiu que a investigação "está em andamento" e que nesta tarde serão fornecidas mais informações sobre o caso. /EFE e REUTERS

Mais conteúdo sobre:
voo AH5017 Air Algerie François Hollande

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.