Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

''Não podemos perder a mão da revolução''

Chavista é a principal esperança do governo vencer as eleições no Estado de Zulia, reduto da oposição

O Estadao de S.Paulo

22 de novembro de 2008 | 00h00

Atual prefeito de Maracaibo, Gian Carlo Di Martino, é a principal aposta do chavismo para vencer em Zulia, Estado que produz 80% do petróleo venezuelano e é o maior reduto da oposição. Após dois mandatos como prefeito (no primeiro, foi eleito como opositor), ele disputa o governo estadual contra Pablo Pérez, candidato do líder opositor Manuel Rosales. A seguir, a entrevista que o prefeito concedeu ao Estado.O que o senhor acha da ameaça de Chávez de não repassar recursos a Zulia caso a oposição vença aqui?Basta ir para o interior de Zulia para perceber o abandono em que se encontram muitos municípios. Devemos assumir o controle com firmeza para não perdermos a mão da revolução. Se repassarmos recursos para que eles (opositores) os empreguem na campanha, ou mais tarde, em caso de vitória de Rosales, para que ele se projete à presidência, estaríamos jogando contra nós mesmos, não?Os habitantes de Zulia não podem voltar-se contra o governo central se lhes faltar dinheiro para serviços públicos?Não. Estamos falando de recursos extraordinários. Os recursos que correspondem a Zulia (segundo porcentagens estipuladas pela Constituição) são repassados. Mas, por exemplo, um recurso para fazer uma ponte pode ser destinado à PDVSA, que se encarregaria da obra. O governo regional já recebeu dinheiro para fazer escolas que nunca saíram do papel. Porque é importante que o chavismo ganhe no Estado?Zulia tem um significado importante pela presença da oposição. Contudo, para nós também é crucial dar estabilidade ao processo revolucionário em cada um dos municípios e Estados do país. Quais são seus projetos para Zulia?Vamos aprofundar a revolução. Até agora, tem sido muito dura a relação com esse governador conspirador (Rosales), que tem dificultado o desenvolvimento do Estado. Somos os primeiros produtores de leite e carne da Venezuela, mas não há investimentos suficientes para expandir a produção. Por que o chavismo até agora não ganhou no Estado?Pelas divisões internas que havia no movimento. Agora, estamos mais unidos e maduros, dispostos a aceitar críticas, que é algo muito importante. O senhor foi eleito num primeiro momento pela oposição...Sempre fui socialista. Governava junto com Rosales, mas sempre ao lado de Chávez. Quando Rosales seguiu um rumo oposto, fiquei com o presidente porque concordo com seu projeto de transformar uma sociedade capitalista em uma sociedade socialista e humanista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.