AFP PHOTO / KCNA VIA KNS
AFP PHOTO / KCNA VIA KNS

‘Não sou o tipo de pessoa que dispara armas nucleares’, diz Kim Jong-un

Ditador norte-coreano disse que, apesar das reservas com os Estados Unidos, não lançaria mísseis nucleares, informa presidência da Coreia do Sul

O Estado de S.Paulo

29 Abril 2018 | 04h39

SEUL – O ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-un, disse ao presidente sul-coreano Moon Jae-in que não é “o tipo de pessoa que dispara armas nucleares”, informou o gabinete da presidência da Coreia do Sul em comunicado. A declaração foi dita durante conversa privada entre os dois líderes durante a cúpula intercoreana de sexta-feira, 27.

“Embora tenha minhas reservas com Washington, as pessoas verão que não sou tipo de pessoa que dispara armas nucleares contra a Coreia do Sul, o Pacífico ou os Estados Unidos”, disse Kim a Moon, informa o gabinete presidencial sul-coreano.

“Se nos reuníssemos regularmente com os americanos para sedimentar a confiança e eles prometessem pôr fim à guerra e não nos invadir, para que manteríamos um arsenal nuclear e viveríamos em condições tão difíceis?”, questionou o ditador, de acordo com o comunicado.

+ Coreia do Norte promete desmantelamento público de base nuclear, diz Seul

Durante a histórica cúpula de sexta-feira passada, os dois líderes assumiram um compromisso de conseguir a "desnuclearização total" da península coreana e acertaram firmar um tratado de paz para dar fim à guerra entre as duas Coreias. O confroto militar terminou em 1953, com um pacto de cessar-fogo, mas tecnicamente os dois países ainda estão em guerra.

Na conversa privada, Kim acrescentou que não repetiria “a dolorosa história da Guerra da Coreia” e que são necessárias “medidas concretas para evitar qualquer confronto militar acidental”.

+ Os pontos-chave da Declaração de Panmunjom, assinada na cúpula intercoreana

Fuso horário. Segundo o gabinete presidencial sul-coreano, Kim também decidiu unificar o fuso horário da Coreia do Norte com o de Seul, adiantando os relógios do país em meia hora. 

Em 2015, Pyongyang atrasou o horário oficial norte-coreano para retornar o fuso tradicional de mais de um século. Á época, o governo justificou a decisão com o 70º aniversário da independência do domínio colonial japonês.

+ Ditador norte-coreano pode manter arsenal nuclear com supercomputador

“Havia dois relógios na sala de espera da Peace House (local onde foi realizada a cúpula). Um tinha a hora de Seul e o outro, de Pyongyang. Isso me entristeceu”, disse Kim, segundo a presidência da Coreia do Sul.

Ainda não há informação de quando a medida entrará em vigor na Coreia do Norte. //EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.