FAO/Alessia Pierdomenico.
FAO/Alessia Pierdomenico.

Pandemia não pode se tornar crise de abastecimento, diz ex-diretor da FAO

Para José Graziano, risco para o País é o aumento de preços, que afetará população mais pobre

Entrevista com

José Graziano, engenheiro agrônomo e ex-diretor da FAO

Paulo Beraldo, O Estado de S.Paulo

03 de abril de 2020 | 06h00

A pandemia do novo coronavírus no Brasil não deve causar uma crise de abastecimento no País, que é um dos maiores produtores e exportadores de alimentos do mundo. No entanto, o aumento de preços dos alimentos vai afetar a população mais pobre, alerta o ex-diretor da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO/ONU)José Graziano

"O Brasil não pode permitir que a crise de saúde causada pela pandemia do novo coronavírus se alastre e se torne também uma crise de abastecimento". Para evitar esse cenário, o professor aposentado da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) defende que haja uma coordenação entre todos os níveis de governo, diz que é necessário manter as condições para que os caminhoneiros possam trabalhar e fala sobre a importância de valorizar os pequenos produtores rurais nesse cenário. Sete em cada dez agricultores no País são familiares. 

Graziano, que ficou oito anos à frente da principal instituição da ONU para o tema, avalia que o pior resultado para essa crise seria os países adotarem políticas diferentes, sem coordenação, como ocorreu na União Europeia. "Cada país fez o que lhe deu na telha e alguns ficaram esperando para ver o que iria acontecer", disse. "Não vai ser possível fechar fronteiras, isso é só em um curto período de tempo, precisamos trabalhar para manter vivo o comércio aberto de commodities agrícolas e não contingenciar exportações". 

Até o momento, qual a avaliação do senhor sobre a condução do governo brasileiro em relação à crise do coronavírus? 

Essa é uma crise global e esse vírus não respeita fronteiras. Infelizmente, o Brasil tem copiado muitos dos erros da Itália por falta de uma liderança unificada do país entre os diversos segmentos de governo. É visível que não há uma atuação unificada. A coordenação é fundamental. Sem ela, um acaba atrapalhando o outro. Vemos que está faltando máscara, álcool em gel, suprimentos e há especulação de preços na área de saúde. Isso não pode acontecer no sistema de abastecimento. 

O que mais preocupa no caso brasileiro em relação a uma possível crise de abastecimento?

Já havia um desmonte da política de segurança alimentar que tirou o país do Mapa da Fome (em 2014). Esse desmonte vinha de antes e foi aprofundado no governo Bolsonaro. A primeira medida foi extinguir o Consea (Conselho Nacional de Segurança Alimentar), um lugar que juntava o trabalhador, o empresário, a sociedade civil, para assessorar a Presidência da República em termos de segurança alimentar. Era uma interlocução importante, ainda que tivesse todos os seus problemas.

Perdeu-se a ideia de que temos de ter estoques. Se houver um trancamento de fronteiras, como São Paulo já ameaçou fazer, pode ser disruptivo na cadeia de abastecimento. Então, é fundamental manter o sistema da segurança alimentar vivo e ter um grande monitoramento de preços e estoques. Hoje, os estoques são todos privados, não se sabe onde está, quanto tem, quanto dura.

 

Qual medida o senhor recomendaria para o País neste momento e para evitar esse cenário de desabastecimento? 

Estamos nos preparando para uma colheita neste momento. É preciso financiar os estoques, financiar a agricultura familiar, o comércio de proximidade, o pequeno produtor. Tudo isso é fundamental. Não apenas para garantir o abastecimento local, mas para evitar uma reação de pânico. O que pode ocorrer de pior nessa hora é a falta de coordenação e uma reação de pânico, de as pessoas quererem comprar tudo nas prateleiras. Isso acaba exacerbando os problemas.

Manter o acesso a produtos frescos é um grande desafio no momento. E isso precisa ser feito através do comércio de proximidade, feiras livres com disciplinamento de fluxo, venda direta do produtor, com regramento, com mais higiene do que antes. É hora de fazer um upgrade, não de extinguir. Melhorar a qualidade e não proibir. 

Como vê os riscos para a segurança alimentar e o desabastecimento no Brasil com o coronavírus?

A insegurança alimentar afeta a população mais pobre. No Brasil, não temos um problema de abastecimento como tem na África e nos países árabes que dependem de importação de produtos. Pela infraestrutura precária de saúde, de abastecimento, certamente o pior impacto em segurança alimentar será na África. Não acho que seja o caso do Brasil. Aqui temos um sistema interno que, bem ou mal, dá conta.

Essas medidas já deveriam estar em vigor, uma vez que a reclusão e o confinamento estão decretados. As pessoas ambulantes, informais, já perderam trabalho sem nenhuma compensação ou indenização. O Bolsa Família é o melhor exemplo, reverenciado no mundo todo, usado basicamente para comprar comida, principalmente nessas horas.

Como evitar que haja abusos de preços neste momento?

Temos um elemento novo: o crescimento do comércio virtual. E não temos regulações disso. Ela é feita pelas próprias empresas. Precisamos do Estado presente nisso, com um programa de defesa do consumidor nessa área. Aparece de tudo nesses momentos. 

Quais impactos essa crise pode ter na alimentação dos brasileiros?

A tendência agora é passar para os produtos processados, são mais fáceis de estocar e de elaborar. Tem muita gente cozinhando em casa, mas nem todo mundo sabe cozinhar. Estão comendo mais macarrão, congelados, e menos produtos que demandam processamento doméstico como saladas, frutas e verduras. Isso tende a piorar a qualidade da alimentação.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
O Brasil está sofrendo uma epidemia de obesidade. É uma fome de má qualidade de alimentação, sem menosprezar aqueles que estejam passando dificuldades.
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
José Graziano, ex-diretor da FAO

Temos tido o avanço do sobrepeso e da obesidade, principalmente entre mulheres e crianças. Isso é um disparate. Sabemos que uma geração de obesos será uma geração de pessoas doentes. Uma pesquisa do Ministério da Saúde recente mostrou que quase 20% da população brasileira é obesa. O Brasil é um dos líderes mundiais em obesidade e isso se deve principalmente por excesso de consumo de açúcar e bebidas açucaradas. Precisamos ter uma lei taxando bebidas açucaradas para reduzir o consumo, proibir a venda dessas bebidas nas cantinas escolares, como outros países já fazem. Portugal é um bom exemplo. 

E a questão dos caminhoneiros nas estradas? Eles estão enfrentando dificuldades para encontrar lugares abertos para comer, para dormir...  

É falta de governo. Dá para fazer um escalonamento, daria para informar nos pedágios, por exemplo, com um folheto mostrando quais lugares estarão abertos para comer. Pode fechar o restaurante mas manter a marmita, a quentinha. Até mesmo um drive thru dá para adaptar facilmente, com coordenação. Nós dependemos fundamentalmente do abastecimento rodoviário e já vimos esse filme antes várias vezes. Não podemos correr o risco de uma paralisação dos caminhoneiros por causa do vírus.  

Quais podem ser os efeitos do coronavírus nas cadeias do agronegócio global?

Um centro que faz análises políticas globais do agronegócio fez uma simulação do impacto do coronavírus nos mais diferentes cenários. O mais preocupante é o cenário que afeta o comércio. Eles mostram que pode haver uma redução para os países em desenvolvimento de até 25% nas exportações de commodities agrícolas. As commodities estão concentradas nas Américas e no Mercosul. Somos nós. Cortar 25% das exportações da América do Sul é realmente mergulhar numa recessão profunda e uma pobreza crescente. 

Já vimos esse filme também. Desde a crise de 2008 - e mais a partir de 2010 -, o preço das commodities caiu pela retração da China. Vimos crescer a pobreza, ao ponto que o Brasil hoje é infelizmente um sério candidato a voltar ao Mapa da Fome nos próximos anos. O ponto positivo disso é que o sucesso da China no combate ao coronavírus dá a oportunidade de o país se reerguer e pode começar de novo a comprar nossa soja e nossos produtos. Para evitar uma recessão interna, hoje o Brasil depende fundamentalmente das exportações para os chineses. 

Como o senhor vê o impacto dessa crise no multilateralismo e do crescimento dos nacionalismos? 

O pior que pode acontecer depois dessa crise seria voltarmos aos momentos do passado em que os Estados nacionais adotem políticas umas diferentes das outras sem nenhuma coordenação. Infelizmente, o modelo que a gente está vendo na Europa mostrou isso. Na região mais adiantada em termos de coordenação política, vimos um desastre sem coordenação na área da saúde.

Temos de encontrar mecanismos aqui na América do Sul de revitalizar essa coordenação. Não vai ser possível fechar fronteiras, isso é só em um curto período de tempo. Não pode ser uma política duradoura.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Precisamos trabalhar para manter vivo o comércio aberto de commodities agrícolas e não contingenciar exportações. 
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
José Graziano, ex-diretor da FAO

Como o senhor vê o impacto das eleições de 2020 nesse cenário? 

Tenho visto falta de coordenação de governo. Estão mais preocupados em brigar uns com os outros do que em estabelecer um pacto federativo. O governo federal tem que coordenar os Estados e os municípios. Não pode ficar cada um tomando suas medidas individuais e isoladas achando que protegendo seu pedacinho vai ajudar. Também precisamos tirar um ensinamento disso que nos pegou de surpresa. Temos uma política de segurança alimentar emergencial? Ao que me consta, a última que tivemos era a política de compras da agricultura familiar. Essas políticas vinham sendo desmontadas. Precisa recuperar isso. 

Precisamos valorizar os circuitos curtos de produção e a agricultura de proximidade. Não podemos permitir que uma crise de saúde se transforme em uma crise de abastecimento. O nível de governo fundamental nessa crise é o das cidades. Elas podem fazer mais, estimulando os agricultores, abrindo feiras, organizando mercadinhos, gerenciando políticas emergenciais como distribuição de cestas básicas. A eleição é um complicador nesse processo, mas espero que tenhamos maturidade para não transformar essa situação em uma disputa política. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.