'Não vim a Cuba negociar libertação de americano', diz Carter

Ex-presidente descarta diálogo sobre Alan Gross, preso em 2009 e condenado por subversão

Agência Estado

29 de março de 2011 | 18h54

Carter e sua esposa são abordados por jornalistas em Havana.

 

HAVANA - O ex-presidente dos EUA Jimmy Carter disse nesta terça-feira, 29, que se reuniu com autoridades cubanas e discutiu o caso do prestador de serviços americano que foi condenado a 15 anos de prisão por crimes contra a segurança do Estado, mas afirmou que não está em Cuba para levá-lo para casa.

 

Carter disse que conversou com autoridades cubanas sobre o caso de Alan Gross, detido em dezembro de 2009 quando trabalhava num projeto apoiado pela Agência de Desenvolvimento Internacional dos Estados Unidos (Usaid), mas afirmou que não foi a Cuba "para retirá-lo do país".

 

"Estamos aqui para visitar os cubanos, os chefes de governo e cidadãos privados. É um grande prazer para nós retornar a Havana", disse o ex-presidente, em espanhol, na companhia de sua mulher, Rosalynn Carter. "Eu espero que possamos contribuir para melhorar as relações entre os dois países".

 

As relações já ruins entre Cuba e EUA pioraram após a condenação de Gross neste mês, acusado de importar ilegalmente equipamentos de telecomunicação. O anúncio da visita de Carter a Cuba, feito na sexta-feira, levantou expectativas de que ele poderia ajudar a conseguir a liberdade para Gross. Tanto o governo americano quanto a família do prestador de serviços encorajaram o ex-presidente a fazer lobby por sua libertação.

 

Carter, que chegou à ilha na segunda, deveria se encontrar com o presidente cubano Raúl Castro nesta terça como parte de sua viagem de três dias para melhorar as ligações entre os dois países.

 

Washington e Havana não têm relações formais desde a década de 1960 e os Estados Unidos mantêm um embargo econômico e financeiro à ilha. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Jimmy CarterEUACubapresoCarter

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.