Naomi Campbell diz que 'não ganharia nada' com depoimento falso

Modelo britânica volta a dizer que não sabia se diamantes recebidos eram de ex-presidente da Libéria

Reuters

11 de agosto de 2010 | 08h54

HAIA - A modelo britânica Naomi Campbell disse nesta terça-feira que nada teria a ganhar não falando a verdade em seu testemunho no Tribunal de Haia sobre "diamantes de sangue" e que foram dolorosas as insinuações de que não se importa com o sofrimento na África.

 

Veja também:

linkEntenda o julgamento de Charles Taylor

Em comunicado emitido cinco dias depois de depor em Haia, no julgamento do ex-presidente liberiano Charles Taylor por crimes de guerra, a modelo se descreveu como "uma mulher negra que apoia e sempre apoiará as boas causas, especialmente na Africa". "Não teria razões para mentir aqui. Nada a ganhar", disse ela.

Naomi, de 40 anos, declarou na semana passada que recebeu algumas "pedras com aparência suja" depois de participar com Taylor e outras pessoas de um jantar beneficente em 1997, na África do Sul, mas que não sabia se eram diamantes de sangue ou de quem tinham vindo. Ela os entregou no dia seguinte a uma entidade beneficente sul-africana.

Depoimentos prestados na segunda-feira ao tribunal pela atriz Mia Farrow e a agente de modelos Carole White, que também estavam no jantar, contradisseram parte das declarações da modelo.

"Naomi Campbell estava na África do Sul ajudando uma entidade beneficente, ficou com os diamantes por poucas horas e os entregou para um representante do fundo Nelson Mandela de assistência às crianças. Ela não estava em julgamento em Haia e cooperou tanto com Haia quanto pôde", diz o comunicado. 

Naomi foi convocada pelo tribunal para reforçar as alegações de que Taylor recebeu diamantes de sangue de rebeldes em Serra Leoa e os usou para comprar armas. Ele nega 11 delitos, incluindo estupro, escravidão sexual e convocação de crianças para serem soldados nas guerras da Libéria e Serra Leoa.

O comunicado, emitido por uma agência de relações públicas, disse que a modelo tem um longo compromisso de apoio a boas causas, especialmente na África. "A insinuação de que Campbell de alguma maneira não se importa com a situação daqueles que sofrem na África é ridícula e dolorosa", afirma o texto.

Tudo o que sabemos sobre:
Naomi CampbellTaylorLibériaÁfrica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.