Gregorio Borgia/AP
Gregorio Borgia/AP

Napolitano fala em renunciar se não houver acordo político na Itália

Empossado presidente, ele disse estar disposto a convocar novas eleições para resolver impasse no país

Agência Estado

22 de abril de 2013 | 13h08

O presidente da Itália, Giorgio Napolitano, que tomou posse hoje para um novo mandato de sete anos, disse que pode renunciar caso não ocorra um acordo sobre quem vai ser o primeiro-ministro do país.

Em um discurso emocionado, ele criticou a lentidão na reforma política no país e disse que chegou o momento de fazer "escolhas decisivas".

Napolitano afirmou que aceitou o segundo mandato devido a "circunstâncias excepcionais", mas comentou que isso não é "constitucionalmente ideal" e ele está disposto a convocar novas eleições em breve para tentar resolver o impasse político.

"Isso vai testar seriamente a minha força", comentou o chefe de Estado, de 87 anos, segundo noticiado pelo jornal Corriere della Sera. Durante sua fala Napolitano disse que o presidente pode escolher o primeiro-ministro, mas defendeu o papel dos partidos políticos na democracia.

Ele também comentou que as propostas apresentadas por um conselho de "homens sábios" criado por ele devem ser colocadas em prática. O grupo sugeriu, entre outras coisas, reduzir o poder do Senado.

Desde fevereiro, quando foram realizadas eleições parlamentares, a Itália vive um impasse político. O Partido Democrático, de Pier Luigi Bersani, venceu a disputa pela Câmara, mas ele não chegou a um acordo com o partido Povo pela Liberdade, de Silvio Berlusconi, que conseguiu o controle do Senado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.