Napolitano pode convocar novas eleições na Itália

Se o Parlamento da Itália não conseguir chegar a um acordo para a formação de um novo governo, após o impasse criado pelo resultado das eleições gerais realizadas nos dois últimos dias, o presidente Giorgio Napolitano tem o poder de dissolver uma ou ambas as casas legislativas e convocar um novo pleito, comenta o Goldman Sachs em relatório.

AE, Agência Estado

26 de fevereiro de 2013 | 10h14

"Isso provavelmente aconteceria após a eleição do novo presidente, que precisa ocorrer em 15 de abril, um mês antes de acabar o mandato de Napolitano", diz o banco de investimento. "Do ponto de vista do mercado, esse resultado mais improvável provavelmente aumentaria a volatilidade (nos mercados) e os (bônus de dez anos da Itália) ficariam sob pressão considerável."

O Goldman prevê a possibilidade de o spread do yield do bônus italiano em relação ao do alemão, referência na Europa, chegar aos níveis de novembro de 2011, quando estava em 550 pontos base. Na sexta-feira, esse spread estava em torno de 275 a 300 pontos-base. "Nesse cenário, um governo provisório pode pedir ajuda ao Eurogrupo e ao Banco Central Europeu através do programa de (Transações Monetárias Completas, ou OMT, na sigla em inglês)", diz o banco. As informações são da Market News International.

Tudo o que sabemos sobre:
itáliaeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.