Andrew Burton/AP
Andrew Burton/AP

Nasce um novo país: Sudão do Sul

JUBA - O Sudão do Sul tornou-se a mais nova nação do planeta quando os relógios no leste da África marcaram a zero hora de sábado, 9, início da noite desta sexta, 8, no Brasil.

estadão.com.br,

08 de julho de 2011 | 20h54

 

Veja também:

lista Entenda os fatores envolvidos na independência

linkGoverno de Cartum reconhece novo Sudão do Sul

linkONU enviará 7 mil 'capacetes azuis' ao novo país

 

A secessão formaliza-se após duas guerras civis que ceifaram milhões de vidas ao longo de cinco décadas. A fundação do Sudão do Sul divide em dois aquele que antes era o maior país africano.

 

Nas ruas de Juba, a capital do novo país, a população festejou.

 

Moradores dançavam e gritavam o nome de seu presidente, Salva Kiir. Um homem ajoelhou-se e beijou o chão enquanto um grupo de pessoas passava pela rua gritando "nós nunca vamos nos render". "Eu sou livre", comemorou Daniel Deng, um policial de 27 anos de idade.

 

Reconhecimento

Países que já reconheceram o Sudão do Sul:

África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Armênia, Austrália, Áustria, Canadá, Coreia do Sul, Dinamarca, Egito, Emirados Árabes Unidos, Espanha, Estônia, Finlândia, Holanda, Índia, Israel, Jordânia, Kosovo (não reconhecido internacionalmente), Malauí, Nagorno-Karabakh (enclave na Armênia não reconhecido internacionalmente), Noruega, Quênia, Somalilândia (região autônoma da Somália não reconhecida internacionalmente como nação), Sudão, Suíça, Taiwan, Tunísia, Turquia, Uganda, Vietnã e Zâmbia.

Conselho de Segurança

Os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, que têm poder de veto, anunciaram que reconheceriam o Sudão do Sul: China, Estados Unidos, França, Reino Unido e Rússia.

Blocos

A União Africana já declarou que reconhece o Sudão do Sul e acredita-se que a entrada do país no bloco deve acontecer sem problemas. No continente, apenas Líbia e Eritreia são contra a divisão (leia abaixo).

 

 

 

Contrários

Os líderes de pelo menos três países se declararam contrários à divisão que criou o Sudão do Sul. O presidente da Eritreia, Isaias Afewerki, disse que se opõe à independência. O presidente iraniano, Mahmud Ahmadinejad, afirmou ser contrário à ideia de dividir o Sudão. E o líder da Líbia, Muamar Kadafi, que enfrenta revoltas populares e a tentativa de tirá-lo do poder, disse que a situação do Sudão do Sul "poderia passar a ser uma doença contagiosa que afetará toda a África".

Conflito

Abyei

Os governos do Sudão e do Sudão do Sul ainda negociam a definição do controle das reservas de petróleo. A maioria delas está no sul, perto da fronteira. O principal foco da disputa é a região fronteiriça de Abyei, onde em 2008 ocorreram confrontos armados. Analistas acreditam que novos embates em Abyei poderiam levar a um confronto generalizado. Veja fotos do local.

 

Petróleo

Responde por 85% das reservas sudanesas. Segundo acordo de independência com o Sudão asvendas de petróleo serão divididas por igual entre ambos os países.

 

Divisão administrativa

São 10 estados em três províncias:

Equatoria

Equatoria Central, Equatoria Oriental e Equatoria Ocidental

Bahr el-Ghazal

Bahr el-Ghazal do Norte, Bahr el-Ghazal, Lakes Ocidental e Warrap

Alto Nilo

Jonglei, Unity e Alto Nilo

 

Leia ainda

linkMortes violentas este ano somaram 2.368, diz ONU

linkHollywood ajudou na campanha por independência

 

Com AP e Agência Estado; informações: Luciana Vicente Fadon, do estadão.com.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.