Nasrallah põe Hezbollah em alerta no Líbano

Líder de grupo xiita libanês, porém, assegura que não utilizará armas do grupo em campanha para apoiar o Hamas na Faixa de Gaza

AP e Reuters, Beirute, O Estadao de S.Paulo

29 de dezembro de 2008 | 00h00

O líder do grupo xiita libanês Hezbollah, xeque Hassan Nasrallah, anunciou ontem que pôs seus militantes "em alerta" no sul do Líbano para responder a possíveis ataques de Israel e prometeu não abandonar a resistência do Hamas na Faixa de Gaza. Em pronunciamento transmitido por vídeo para centenas de seus partidários em Beirute, Nasrallah garantiu que o Hezbollah está pronto para enfrentar qualquer agressão contra o Líbano. No entanto, o xeque não ameaçou lançar ataques contra Israel e deixou claro que não usaria armas para apoiar o Hamas."Pedi para os irmãos da resistência fazerem-se presentes e serem cautelosos porque estamos frente a um inimigo traiçoeiro e criminoso", afirmou Nasrallah. Minutos depois do discurso do líder xiita, aviões israelenses sobrevoaram algumas partes do sul do Líbano, afirmaram testemunhas. "Não estamos com medo do que aconteceu em julho de 2006 nem do que está acontecendo agora em Gaza", disse o xeque em referência à guerra de 34 dias que o Hezbollah travou com Israel há dois anos. O conflito matou mais de 1,2 mil pessoas no Líbano e deixou 159 mortos em Israel.O líder do grupo convocou para hoje uma grande manifestação em Beirute em apoio a Gaza e pediu para seus partidários não deixarem o território "sozinho". Nasrallah, porém, disse que o apoio ao Hamas será exclusivamente por meio de manifestações pedindo o fim da violência em Gaza. Ele garantiu que não utilizará o poder militar do grupo durante a ação.Nasrallah também fez um duro ataque ao Egito, afirmando que, se o governo não abrir sua fronteira com Gaza, estará "fazendo parte do crime" contra palestinos."Há uma real e completa parceria de alguns regimes árabes nesse projeto, especialmente daqueles que assinaram acordos de paz com Israel", disse Nasrallah. "A posição do Egito é a base para tudo o que está ocorrendo em Gaza... Autoridades egípcias: se vocês não abrirem a passagem de Rafah, então vocês são parceiros no crime, parceiros nos assassinatos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.