Naufrágio com imigrantes deixa 50 mortos e 98 desaparecidos

Grupo de 150 pessoas queria chegar à Itália; 21 corpos foram recuperados e dois foram resgatados com vida

Efe,

17 de junho de 2008 | 06h32

O número de imigrantes ilegais que se afogaram no naufrágio de uma embarcação na qual viajavam para a Itália desde a Líbia já chega a 50 e todos são egípcios, enquanto 98 estão desaparecidos, informou nesta terça-feira, 17, a imprensa egípcia. O número dois da embaixada egípcia em Trípoli, Ayman Mushrafa, disse em declarações aos meios de imprensa que, por enquanto, apenas dois homens, um egípcio e um bengalês, foram encontrados com vida. Além disso, fontes do Ministério de Relações Exteriores egípcio, citadas pela imprensa, disseram que até o momento foram resgatados 21 corpos. Devido ao estado deles, ainda não foi possível a identificação. Um dos sobreviventes, o egípcio Wael Naji Abdel Matayali explicou às autoridades líbias que na embarcação de madeira viajavam cerca de 150 pessoas, entre elas os 50 egípcios, e que o navio esteve à deriva em alto mar depois que seu motor parou, junto à região litorânea líbia de Zawara, perto da Tunísia. Centenas de imigrantes egípcios morreram afogados nos últimos três anos no Mar Mediterrâneo em uma tentativa de chegar às costas da Itália e da Grécia com a intenção de escapar do desemprego em seu país. As autoridades egípcias advertiram em várias ocasiões contra essas viagens que são feitas em frágeis embarcações e que são organizadas por bandos líbios e egípcios.

Mais conteúdo sobre:
EgitoLíbianaufrágio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.