Naufrágio deixa 3 mortos e dezenas de desaparecidos

Dois turistas franceses e um tripulante peruano morreram no naufrágio do navio Costa Concordia que ocorreu na noite de sexta-feira na costa italiana. As primeiras informações indicam que a causa das mortes foi afogamento. Há ainda dezenas de desaparecidos e duas pessoas internadas em estado grave. As estimativas variam, mas de acordo com a imprensa italiana chega a 70 o número de pessoas que ainda não foram localizadas. Equipes de socorro ainda vasculham o interior do navio em busca de vítimas.

SILVANA MAUTONE, Agência Estado

14 de janeiro de 2012 | 18h19

A embarcação tinha cerca de 4 mil pessoas a bordo na hora do acidente, aproximadamente 3 mil turistas (a maioria italianos) e mil tripulantes. A embaixada do Brasil em Roma informou que 53 brasileiros estavam no navio. Segundo a embaixada, a empresa Costa Cruzeiros, dona da embarcação, disse que 47 dos brasileiros eram passageiros e os outros seis, tripulantes. Até o momento, não há informações de brasileiros feridos ou desaparecidos.

Um grupo de 26 brasileiros que estava no navio viajou hoje para Milão. Caso necessário, a embaixada do Brasil na Itália providenciará novos passaportes para essas pessoas. No caso de quem precisar viajar imediatamente ao Brasil, será emitido um documento chamado Autorização de Retorno ao Brasil (ARB), que substitui provisoriamente o passaporte.

Possíveis causas

O acidente ocorreu próximo da ilha de Giglio, na região da Toscana. Não foi divulgado oficialmente o que causou o naufrágio, mas, de acordo com a agência de notícias italiana Ansa, o comandante do navio, Francesco Schettino, disse a um canal de televisão local que a embarcação se chocou contra uma rocha que não estava indicada na carta náutica. O comandante está detido e há suspeitas de que o navio seguia por uma rota errada e estava próximo demais da ilha. Segundo a Ansa, no casco do navio há um rombo de pelo menos 70 metros. O ministério italiano de Infraestrutura e dos Transportes, com o apoio da guarda costeira, investiga se o acidente ocorreu por erro humano, por falha de algum dispositivo de bordo ou por ambos os motivos.

O navio havia partido duas horas e meia antes do porto de Civitavecchia, próximo de Roma. Os passageiros jantavam no momento em que ocorreu o choque. Muitos descreveram a situação como semelhante à do Titanic, navio que naufragou em 1912, durante sua viagem inaugural, entre a Inglaterra e os Estados Unidos. Na época, o Titanic era o maior navio de passageiros do mundo.

O Costa Concordia é o maior navio de passageiros da história a naufragar. Inaugurado em julho de 2006, com presença da modelo tcheca Eva Herzigova no papel de uma das madrinhas da embarcação, pesava 114.500 toneladas. Tinha capacidade para 3.780 passageiros em 1.500 cabines. Algumas características da área de lazer dão ideia do seu tamanho: quatro piscinas, 50 restaurantes, um teatro de três andares, uma discoteca e um cassino. As centrais de bordo tinham capacidade de fornecer energia elétrica suficiente para o consumo de uma cidade com 50 mil habitantes.

Tudo o que sabemos sobre:
Itálianaufrágiodesaparecidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.